Qual o segmento do mercado de veículos que mais cresce no Brasil? Nove entre dez pessoas diriam sem pestanejar: o de utilitários esportivos.  E teriam errado feio, pelo menos se o período analisado for os onze primeiros meses de 2018.

Até novembro, enquanto as vendas de SUVs avançaram 25%, pouco acima da média do mercado total, o de sedã compactos saltou 123%, cinco vezes mais  portanto. Passou de 36,8 mil unidades no mesmo período de 2017 para 82,3 mil.

A participação desses modelos nas vendas totais é muito inferior, claro, ao dos utilitários esportivos, que já respondem por um quarto do mercado. Ainda assim, começa a merecer mais atenção por parte dos fabricantes. Se nos últimos três anos ficou estabilizada em 2%, está em 4,3%. É a maior fatia desde 2012, quando a categoria respondeu por 4,6% dos emplacamentos.

Motivo para crescimento tão expressivo — ainda que com singelo auxílio do ainda mais novato Toyota Yaris — tem nome e sobrenome: Volkswagen Virtus. O modelo fechará o ano já como líder — e disparado! — do segmento, que conta ainda com Honda City, Chevrolet Cobalt, Ford Fiesta e Lifan LF 530, segundo critério da Fenabrave.

Desde fevereiro, quando efetivamente começou a ser vendido, somou 37,3 mil emplacamentos, 45% do segmento, portanto, mais do que o total atingido por todos os concorrentes de janeiro a novembro de 2017. O segundo colocado é sedã mais veterano: o Cobalt.  Ainda assim já muito atrás do Volkswagen, com 19 mil emplacamentos, equivalentes a 23% das vendas.

Anúncio

LEIA MAIS

→Virtus Highline instiga a acelerar

→Mercado interno chegou a 230,9 mil veículos em novembro

O City tem 13,4 mil licenciamentos acumulados, fatia de 16%. Na eterna briga particular entre os japoneses, ele começa a ser assediado pelo Yaris, há apenas seis meses nas concessionárias e que deteve 13% dos negócios, com 10,5 mil unidades vendidas desde então.

Cobalt e City estão apenas um pouco abaixo dos números que conquistaram em onze meses do ano passado, respectivamente 20,9 mil e 14,8 mil emplacamentos. Mas como o mercado total cresceu e o segmento ainda mais, nitidamente foram eles os mais prejudicados pelo súbito desempenho avassalador do Virtus, que tem justificado o nome em latim que pode ser traduzido como força.


Foto: Divulgação/ VW