A curva de desempenho da Moto Honda da Amazônia encerrou 2018 em franca ascensão. A maior fabricante de motocicletas do Brasil produziu 784,4 mil motos no ano passado, 17,6% a mais do que em 2017.

O ritmo da linha de montagem da planta de Manaus (AM) deu conta sobretudo do avanço do mercado interno. Os licenciamentos da marca superaram 745 mil unidades, crescimento de 11,9% sobre o resultado do ano anterior.

” Após tantos anos de retração de mercado, obtivemos uma reversão de tendência”, enfatiza Alexandre Cury, diretor comercial da Honda Motocicletas, que aposta em novo crescimento das vendas em 2019 – “se não tivermos grandes sobressaltos na economia”.

Proporcionalmente, o segmento que mais evoluiu em vendas foi o de alta cilindrada, as motos mais caras. A empresa vendeu 12,5 mil motos acima de 451 centímetros cúbicos, 69,6% a mais do que em 2017. Quase um quarto do total apenas do modelo CB 500X, que teve 3,3 mil emplacamentos.

Anúncio

Outro segmento que cresceu acima da média da marca foi o de scooters. No ano passado foram emplacadas 37,8 mil unidades contra 31,4 mil do ano anterior, 20% a mais. A Honda detém o modelo líder do segmento: a PCX somou 30,5 mil unidades negociadas, equivalentes a 55,8% de participação.

Marco histórico — Com as mais de 784 mil unidades fabricadas no ano passado e a produção acumulada na primeira quinzena de 2019, a Honda superou 24 milhões de motos produzidas no Brasil desde 1976, quando a fábrica de Manaus foi inaugurada.

A unidade manauara é a maior e mais verticalizada planta de motocicletas da Honda no mundo. Produz diariamente 3,7 mil unidades de 34 modelos de motos, além de quadriciclos e motores estacionários.

LEIA MAIS

→Honda HR-V atinge 200 mil unidades vendidas no Brasil

 


Foto: Divulgação/Honda