Com o objetivo de definir novas atividades de mobilização para garantir ao menos os empregos da fábrica de São Bernanardo do Campo, SP, que será fechada em novembro, os trabalhadores da Ford realizam nova assembleia nesta terça-feira, 19, a partir das 6h30, no pátio em frente da portaria 18 .

Desde que foi anunciado o fim das operações na região, em 19 de fevereiro, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC vem promovendo uma série de ações, a princípio com o intuíto de impedir o fechamento e agora pela manutenção dos empregos caso algum interessado venha a adquirir o complexo industrial de São Bernardo.

LEIA MAIS

Venda da Ford: metalúrgicos querem garantia de emprego.

Passeata em São Bernardo contra fechamento da fábrica da Ford

Em reunião com a direção da matriz na semana passada, a entidade foi informada de que não há a menor possilidade de a Ford voltar atrás na sua decisão de encerrar a produção de caminhões e do Fiesta no Brasil. Na sexta-feira passada, 15, os trabalhadores da fábrica de São Bernardo – que estão sem trabalhar dese 19 de fevereiro – fizeram uma manifestação em frente à Assembleia Legislativa de São Paulo, pouco antes da cerimônia de posse dos deputados estaduais.

Anúncio

O objetivo, segsundo o sindicato, foi chamar a atenção dos legisladores para a luta pelos empregos na montadora. “Os trabalhadores na Ford têm de ser respeitados”, destacou Adauto de Oliveira, membro do Comitê Sindical na Ford, na ocasião. “O sindicato já esteve aqui conversando com o presidente da Assembleia e teve a garantia de que os deputados estão conosco nessa mobilização”.

O deputado estadual Teonilio Barba (PT/SP) informou, por sua vez, que vai lutar pela instalação da CPI das isenções fiscais: “Nos últimos cinco anos foram mais de R$ 7 bilhões em isenção para a Ford Bahia, além de a empresa ter recebido R$ 5 bilhões emprestado do BNDES e ter participado do Inovar-Auto, obtendo vários benefícios. Receber incentivo para gerar empregos e produzir no Brasil é uma questão importante, agora receber todo esse dinheiro e fechar uma unidade como esta é um crime”.


Foto: Divulgação/SMABC-Adonis Guerra