A direção mundial da Ford não cedeu em sua decisão de fechar a fábrica de São Bernardo do Campo, SP, mas confirmou haver interessados no complexo industrial a autorizou o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC a participar das negociações com os interessados na sua compra.

Essa foi a informação divulgada pelo presidente do sindicato, Wagner Santana, durante assembleia na manhã desta terça-feira, que reuniu os trabalhadores da fábrica do Taboão em frente a uma das suas portarias.

“Com esse posicionamento, deixamos claro que temos de estar presentes na mesa de negociação. A partir de agora estamos em luta pela manutenção dos empregos nesta planta. Não importa quem é o patrão. O patrão vai, mas os empregos ficam”, destacou Santana.

Segundo o sindicato, o presidente de operações globais da Ford, Joe Hinrichs, confirmou que há três grupos interessados na aquisição da planta de São Bernardo. Dois deles já teriam propostas mais firmes e devem realizar reuniões com a direção da montadora nos próximos dias. Há nova assembleia na Ford marcada para a quinta-feira, 14. Até lá os trabalhadores continuam parados.

LEIA MAIS

Há três interessados na compra da fábrica da Ford, diz Doria

Caoa confirma interesse na operação da Ford em SBC

Diante do inevitável fechamento da fábrica, anunciada no Brasil no dia 19 de fevereiro, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC deixou claro que o sindicato agora vai contribuir para que as negociações deem certo e que seja uma venda com “porteira fechada, ou seja com a manutenção de todos os trabalhafores”.

Também presente na assembleia, o coordenador do Comitê Sindical (CSE) na Ford, José Quixabeira de Anchieta,  detalhou como foi a conversa com a direção global.

Anúncio

“Apresentamos vários argumentos para a manutenção da planta. Reforçamos a versatilidade da mão de obra, com os trabalhadores atuando tanto na linha de automóveis como na de caminhões, e o seu nível de automação, além de lembrar sobre o impacto social que representaria o fechamento. Mas a resposta foi que a empresa não recuaria da decisão. Continuaremos lutando pela fábrica, mas se realmente for acontecer a venda, queremos estar na discussão de possíveis compradores”.

Rafael Marques, ex-presidente do Sindicato e trabalhador na Ford, também fez parte da comitiva que foi aos Estados Unidos: “A direção não tinha resposta aos argumentos que apresentamos. Ficou claro que eles cometeram erros de estratégia na América do Sul, que a direção local não fez a leitura correta dos mercados brasileiro e argentino ao definir o tipo de projeto para o Brasil. Caminhões é um acerto da Ford no Brasil, sempre foi. Não conseguimos entender a decisão de abandonar esse produto, esse mercado e esses trabalhadores”.

O presidente do Sindicato do ABC também comentou nesta terça-feira que o presidente da República deveria levar ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em encontro que ambos terão na próxima terça-feira, 19, a questão do fechamento da Ford em São Bernardo.

“Ele deveria levar ao presidente dos EUA, país sede da Ford, a indignação do governo brasileiro, que tanto incentivo deu a essa empresa. Foram mais de R$ 7 bilhões em incentivos fiscais nos últimos cinco anos. Isso significa dinheiro público, patrimônio de cada brasileiro e brasileira. Esse deveria ser o comportamento do governo numa conversa com o presidente Trump”, comentou Santana.


Foto: Divulgação/SMABC-Adonis Guerra