Após investir R$ 125 milhões para iniciar, até julho, a produção comercial do Novo Série 3, a BMW já se organiza para fabricar outro modelo em Araquari (SC).  Os executivos da operação brasileira da montadora alemã não revelam qual será o novo produto, mas admitem que o anúncio do próximo carro, que envolverá novo aporte de recursos, deve ser feito já nos próximos meses.

Será o quinto veículo a sair da linha de montagem catarinense que, além do novo sedã, produz os utilitários esportivos X1 e X3 e, desde o fim do ano passado, o X4, modelo que se beneficiou também dos aprimoramentos técnicos promovidos para a produção do Série 3, como aumento do nível de automação na área de soldas ou adoção de AGVs, pequenos veículos autônomos, na linha de montagem das portas.

Araquari tem capacidade produtiva instalada de 32 mil veículos ao ano em três turnos de trabalho. Opera atualmente em um turno e produziu cerca de 8,5 mil unidades no ano passado. Desde sua inauguração, em outubro de 2014,  Araquari, cujo projeto inicial demandou R$ 1 bilhão, já fabricou mais de 50 mil veículos, 17,8 mil deles do Série 3.

O brasileiro Aksel Krieger, presidente e CEO do BMW Group, aposta em crescimento do mercado brasileiro de veículos da ordem de 10% em 2019 e alguns pontos a mais para os negócios da empresa que dirige desde janeiro, após mais de três anos radicado na China.

Anúncio

No primeiro bimestre, os veículos BMW já têm 1,5 mil emplacamentos somados, 11% a mais do que nos dois primeiros meses do ano passado.

Confirmada a expectativa de Krieger, a marca chegará ao final de dezembro com cerca de 12,5 mil veículos entregues de todos os modelos, dentre eles os importados X5, que começa a ser vendido também no fim deste mês, e do X7, o topo dos SUVs da marca, que chega no segundo semestre.

De qualquer forma, o Novo Série 3 terá papel fundamental para que a montadora alcance seu objetivo de vendas e ao menos sustente a segunda colocação dentre as marcas premium no mercado interno, alcançada em 2018 com cerca de 11,3 mil licenciamentos.

O sedã, que deteve 31% do segmento de sedãs premium, responde por aproximadamente 30% das vendas da marca no mercado interno, superado apenas pelo utilitário esportivo X1.

A nova geração (leia aqui), repleta de recursos de segurança,  auxílio à condução e de conectividade, adota plataforma inédita e chega às 38 revendas da marca no dia 28 de março, ainda importado da Alemanha, nas versões 330I Sport (R$ 220 mil) e 330I  M Sport (R$ 270 mil, R$ 10 mil a mais do que a atual geração do 328 M), ambas com motor 2.0 de quatro cilindros biturbo de 258 cavalos e câmbio ZF de oito marchas.

LEIA MAIS

→BMW e Daimler reúnem forças para direção autônoma

→X5 chega na rede BMW com preço a partir de R$ 450 mil

→Aksel Krieger assume a BMW no Brasil

Com a chegada do sedã e dos dois novos utilitários esportivos em 2019, a linha da BMW no Brasil estará próxima das oferecidas nos mercados mais desenvolvidos, enfatiza Roberto Carvalho, diretor comercial. Sem declarar números absolutos, o executivo afirma que a tendência é de que a versão 330I Sport responda inicialmente por mais da metade das vendas. “Até pela seu  posicionamento de preço no mercado”, pondera.


Foto: Divulgação/BMW