A Audi encerrou 2018 com 8,6 mil veículos vendidos no Brasil. Mais uma vez ficou na terceira posição no ranking das chamadas marcas premium, colocação que tem se repetido desde 2016 e com volumes cada vez menores.  Em 2015, quando apareceu no segundo lugar, os emplacamentos superaram 17,5 mil unidades, portanto o dobro do ano passado.

Essa curva descendente naturalmente incomoda os executivos da operação brasileira que escolheram 2019, ano do 25º aniversário da marca aqui — inicialmente importa por ninguém menos do Ayrton Senna —, como ponto de inflexão de venda e, mais ainda, momento  para a transformação da imagem da marca.

A dupla intenção fica explícita quando se sabe que estão previstos ao menos dez lançamentos de produtos até dezembro, entre automóveis e utilitários esportivos nacionais e importados, acompanhados de campanha de marketing pela internet, tevê e publicações impressas com robustez poucas vezes vista numa marca premium no Brasil.

“A Audi passa por um dos momentos mais importantes da sua história no Brasil, comemorando 25 anos desde sua chegada. Nosso desejo é marcar 2019 com ações inovadoras e que resgatem o vanguardismo para tornar a Audi a marca premium mais desejada do mercado brasileiro”, afirma Claudio Rawicz, diretor de comunicação da montadora.

É sob a batuta de Rawicz que a Audi desenvolverá diversas ações para os mais diversos públicos da marca, sempre calcadas em várias vertentes: veículos de entrada, varejo, novos produtos topo de gama, eletrificação e esportividade.

Anúncio

Em todas elas as mídias digitais, incluídas as redes sociais, terão participação ascendente. Sem explicitar números absolutos e investimentos em toda a campanha, o diretor de comunicação revelou apenas que, contra a proporção histórica de 20%, o universo digital responderá por 40% este ano.

A mudança se justifica também por atual particularidade da marca e não apenas por seguir a dinâmica comum ao mercado da comunicação: segundo Rawicz, pesquisa global da empresa indica que a idade média de seus consumidores, que seguem majoritariamente masculino, está aumentando a cada ano.

Portanto, a ideia da nova campanha, em especial por meio de veículos mais acessíveis como o A3 e A4, é exatamente trazer novos  e mais jovens clientes para a rede de concessionárias Audi.

Parte dessa proposta já começou a ser vista com o lançamento do primeiro da série de sete filmes que serão veiculados ao longo do primeiro semestre. Batizada de Happy Baby Born, a série enfatiza o encantamento de um bebê pelo carro desde o nascimento até os primeiros passos.

“Reflete o reposicionamento da montadora, agora focado em uma conexão mais humana e emocional”, esclarece Rawicz, que já tem novo trabalho de divulgação pela frente: colocará nas mídias ainda em abril as primeiras peças publicitárias da campanha do e-Tron, automóvel 100% elétrico que chegará ao mercado brasileiro no segundo semestre.


Foto: Divulgação/ Audi