Difícil saber os reais reflexos de um anúncio como o realizado pela Ford em 19 de fevereiro, quando comunicou o encerramento das suas operações em São Bernardo do Campo (SP), mas os números deste início de ano deixam claro a perda de espaço da marca no mercado brasileiro.

Com participação em queda no ano, a Ford despencou duas posições no ranking das marcas mais vendidas no Brasil em março. Suas vendas caíram 16,8% no comparativo com o mesmo mês do ano passado, quando era a quarta colocada, e assim encerrou o mês no 6º lugar, sendo superada pela Renault e Toyota, que ficaram, respectivamente, na 4ª e 5ª posições. Os dados foram divulgados esta semana pela Fenabrave e têm por base os números do Renavam.

LEIA MAIS

Metalúrgicos da Ford voltam ao trabalho em São Bernardo

Ford negocia com revendas de carros assistência técnica aos caminhões

No trimestre, a Ford emplacou volume 3,4% inferior ao do mesmo período de 2018, ante alta de 10,1% do mercado total de automóveis e comerciais leves. Suas vendas no comparativo interanual baixaram de 49,7 mil unidades para 48 mil no período e, com isso, a marca estadunidense encerrou o trimestre na 5ª colocação, atrás da francesa Renault, que ampliou vendas em expressivos 29,3%, para 51,3 mil unidades, conquistando participação de 9,6% no mercado em março.

Anúncio

O Fiesta, que deixa de ser produzido este ano por causa do fechamento da fábrica do ABC paulista, é o 48º colocada no ranking por modelo no trimestre, com apenas 1.842 unidades comercializadas no período. Em março, ele nem aparece entre os 50 mais emplacados no País.

LEIA MAIS

Onix já caminha para mais um ano na liderança

Mercado segue aquecido, com alta de 11,4% no trimestre

Em contraste com a retração nos negócios da Ford, todas as cinco primeiras colocadas deste ano ampliaram vendas no trimestre. A líder General Motors emplacou 106,4 mil veículos, 15,8% de crescimento, e a Volkswagen, a vice-líder noperíodo, total de 83 mil unidades, alta de 7,1%. A Fiat cresceu 23%, para 78,8 mil emplacamentos, índice que foi de 29,3% no caso da Renault e de 10,2% na marca Toyota (47,3 mil unidades).


Foto: Divulgação/Ford