Os manuais do proprietário, que surgiram praticamente junto com os automóveis e hoje correm sério risco de extinção, são tema de exposição inédita que o Miau, Museu da Imprensa Automotiva, promove a partir de sexta-feira, 19, em sua sede na zona oeste da capital paulista, na rua Marcelina, 108.

Os livretos de papel, que ainda vêm no porta-luvas de alguns modelos, já estão sendo substituídos em veículos mais modernos por versões eletrônicas que podem ser consultadas em celulares ou pelo sistema multimídia do carro – em alguns casos funcionam até por meio de inteligência artificial.

“Com isso, nos parece bastante óbvio que o manual do proprietário em seu formato tradicional está com os dias contados, tornando-se uma futura espécie em extinção”, comenta Marcos Rozen, CEO do Miau. “Por isso decidimos montar uma exposição em sua homenagem, mostrando as peças históricas mais relevantes de nosso acervo”.

São mais de 200 manuais do proprietário originais, dos anos 1960 a 2000, que estarão na mostra que se estende até o início do segundo semestre. Com foco principal em modelos vendidos no mercado brasileiro, o mais antigo da exposição é o do Jeep Willys 1961 e o mais novo do Ford Fusion 2006.

Segundo Rozen, há várias peças raras, como os manuais do DKW-Vemag Fissore, Willys Itamaraty, VW SP1/SP2, Chrysler Esplanada GTX, MP Lafer, Gurgel X-12, Dardo, VW Variant II, VW Gol GT, VW Santana Executivo e outros. Há também alguns manuais de modelos estrangeiros, como os do BMW 2000, Ford Granada e Vauxhall Cavalier, além de manuais de motos, caminhões e tratores antigos.

Um diferencial da mostra é que todos os manuais poderão ser consultados livremente pelos visitantes. “É uma tendência mundial”, diz Rozen. “Os museus estão cada vez mais deixando de ser locais de mera contemplação para se tornarem verdadeiras fontes de contato com os temas que abrangem, permitindo aos visitantes interagirem de forma mais concreta com seus acervos. E essa sempre foi uma marca das exposições do Miau”.

Anúncio

Outra atração são os manuais do proprietário totalmente originais, sem o preenchimento dos dados do comprador  ou carimbos de entrega ou revisões, que respondem por 75% da mostra. De acordo com Rozen, antigamente era comum jornalistas pegarem os manuais de carros de teste cedidos pelas montadoras para avaliação, “seja para consultas futuras ou por travessura mesmo”.

Além disso, os manuais trazem, por vezes, informações curiosas ou estranhas sobre os veículos. O do Ford Corcel II 1981, por exemplo, ensinava o motorista pular direto da terceira para a quinta marcha ao explicar o funcionamento do câmbio. Por mais incrível que pareça, a orientação era evitar a quarta marcha para economizar combustível.

O CEO do Miau lembra ainda que há uma ligação profunda do manual do proprietário com o jornalismo automotivo, pois antes do advento da internet eram a única fonte prática, rápida e confiável para busca de dados técnicos dos veículos. “Hoje esse hábito caiu em desuso, mas foi largamente aplicado por profissionais da imprensa automotiva por mais de 40 anos. A exposição também é uma forma de recordar e homenagear esse período.”

A exposição Manuais do Proprietário: Futura Espécie em Extinção tem ingreso promocional de meia entrada para todos (R$ 15) e o valor é totalmente revertido para manutenção do museu. O Miau abrirá as portas na sexta-feira, 19, das 12h às 17h. No sábado, 20, e domingo, 21, funcionará das 13h às 17h.

Após essas datas a exposição poderá ser visitada nos dias de funcionamento do Miau, ou seja, sempre aos sábados e domingos das 13h às 17h. Em dias de semana o museu funciona apenas para visitas de grupos fechados e pré-agendados.


Foto: Divulgação/Miau