Desde que iniciou as atividades no Complexo Industrial da Nissan, em Resende (RJ), em abril de 2014, a fabricante já produziu 300 mil carros. Do volume total, 50 mil tiveram destinos fora do Brasil, marca alcançada três anos depois da introdução do programa de exportação a partir da unidade sul-fluminense.

O modelo que identifica o volume foi representado pela edição UEFA Champions League do Nissan Kicks produzido para o mercado argentino. Segundo a fabricante, o Brasil é peça-chave nos planos de crescimento da Nissan na América Latina.

As primeiras remessas para os mercados da região começaram em 2016 com o March e o Versa, inicialmente para o Paraguai. O Kicks passou a ser exportado em 2017 e os modelos da marca produzidos em Resende seguem para oito destinos na região: Argentina, Bolívia, Chile, Costa Rica, Panamá, Peru, Paraguai e Uruguai.

Anúncio

LEIA MAIS

→Nissan abre sua caixa de ideias em SP

→Nissan quer exportar para África e Oriente Médio

“O marco de 50 mil veículos exportados confirma que o projeto vem acelerando ao longo dos últimos anos”, diz em nota Claudio Souza, gerente sênior de Exportação da Nissan do Brasil. “Além disso, reforça a fábrica de Resende como um poderoso centro de produção e exportação da Nissan.”

Segundo a fabricante, a unidade de Resende registrou um volume recorde de produção de 106 mil unidades no Ano Fiscal 2018, encerrado em 31 de março de 2019.


Foto: Nissan/Divulgação