A General Motors investiu R$ 60 milhões em seu campo de provas de Indaiatuba (SP), em melhorias que incluem a adição de equipamentos para os sete laboratórios, dentre os quais o de motores e o de eletroeletrônica, além da construção da sua 17ª pista de teste.

O complexo do interior paulista, que ao todo ocupa uma área equivalente a 160 mil campos de futebol, está completando 45 anos de operações agora em 2019. Os investimentos, segundo a montadora, têm por objetivo desenvolver veículos inéditos e tecnologias inovadoras de conectividade, segurança e eficiência energética, que vão estrear com os próximos lançamentos da Chevrolet no Brasil.

“O Campo de Provas da Cruz Alta conquistou um novo patamar de protagonismo para a companhia devido às contribuições ao desenvolvimento de uma nova família global de veículos que está por vir”, comenta Ricardo Fanucchi, diretor do complexo. “O Onix mostrou que a engenharia brasileira é referência mundial na concepção de carros compactos de sucesso”.

Segundo o executivo, o complexo está aparelhado para desenvolver motores turbinados de alto rendimento e baixo consumo de combustível, além de equipamentos eletrônicos e até autônomos de segurança.

Anúncio

Denominada Rampa Estendida, a mais nova pista de teste lá construída tem diferentes ângulos de inclinação para simular longas subidas e está sendo utilizada para complementar os parâmetros de calibração de sistemas eletrônicos, que vão se tornar mais comum em modelos de produção regional.

LEIA MAIS

GM apresenta nova arquitetura veicular eletrônica

GM lança nova família global de veículos a partir de março

Com esta 17ª pista, o campo de provas conta agora com 44 quilômetros de extensão para testes, enquanto os sete laboratórios, as oficinas e outras edificações de apoio ocupam uma área de 27 mil m².

“Nossos produtos contam com o mais alto nível de desenvolvimento virtual para itens estruturais e tecnológicos, porém o acerto dinâmico do veículo precisa ser feito em condições reais por profissionais que saibam tirar o máximo da performance dentro das características de dirigibilidade desejadas pelo consumidor”, destaca Emerson Fischler, diretor de engenharia da GM.

Só para exemplificar, a montadora lembra que com o uso do campo de provas é possível simular o desgaste que um automóvel sofreria se rodasse por dez anos em condições normais de trânsito – ou o equivalente a 160 mil quilômetros.

São mais de 10 mil testes realizados anualmente em Cruz Alta, como os de corrosão, que consomem 90 toneladas de sal grosso por ano. Dentre outros números, a GM revela que mais de 1 mil litros de combustível são utilizados por dia, e após os testes, incluindo os de impacto, os veículos são minuciosamente analisados e depois destruídos. Aproximadamente 300 deles têm o mesmo fim a cada ano.


Foto: Divulgação/GM