A produção de veículos atingiu 266,4 mil unidades em julho, com crescimento de 14,2% sobre junho e de 8,4% em relação ao mesmo mês do ano passado. Com tal desempenho, a expansão no acumulado do ano – que era de 2,8% até junho – chegou a 3,6% nos sete meses, com total de 1,74 milhão de veículos fabricados no período.

Após falar do atual momento econômico, citando fatos positivos como a queda da taxa Selic, o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, disse nesta terça-feira, 6, que a posição da entidade é de “otimismo moderado”. Sobre o nível de produção de julho, o executivo destacou ter sido um bom mês “considerando o atual cenário do País”.

O quadro de mão de obra do setor foi reduzido em 469 vagas de junho para julho – baixando 128.655 funcionários – o que é justificado em grande parte, segundo o presidente da Anfavea, pelo processo de fechamento da Ford Caminhões em São Bernardo do Campo (SP). Desde fevereiro, quando a montadora anunciou o fim das atividades no ABC paulista, o setor já perdeu 2,3 mil vagas.

A Anfavea ainda não reviu suas projeções de vendas e de produção, mantendo expectativas de altas de, respectivamente, 11,4% e 6%. O mesmo não ocorre com as exportações, que este ano estão em queda livre – 264 mil unidades exportadas de janeiro a junho, volume 38,4% inferior ao registrado no mesmo período de 2018, com 478,7 mil veículos embarcados.

Anúncio

Já o mercado interno apresenta crescimento de 12,1%, índice até um pouco superior à meta para o ano. Foram emplacados 1,55 milhão de veículos nos primeiros sete meses, ante 1,38 milhão nos mesmos meses do ano passado. Dessa forma, a produção cresce abaixo do esperado exclusivamente por conta das exportações. E vale lembrar que julho teve três dias úteis a mais do que junho, o que contribuiu para o comporativo mensal positivo.

LEIA MAIS

Mercado de veículos acumula 12% de crescimento no ano

Presidente da Anfavea diz que venda direta veio para ficar

Vendas diretas batem recorde e preocupam Fenabrave

Por segmento, o que apresenta melhor desempenho é o de caminhões, cuja produção no acumulado registra alta de 44,3%, para 55,7 mil unidades. O mercado de automóveis e comerciais leves teve expansão de 10,9%, para 1,48 milhão de unidades.


Foto: Divulgação/GM