Já há algum tempo o carro elétrico tem sido a tônica das exposições de veículos, das feiras do setor. Nos últimos salões de automóveis não houve estande que não tivesse a presença de pelo menos um modelo eletrificado — 100% puro ou híbrido.

E a energia elétrica está em todas as categorias: de carrinho de golfe a caminhão pesado.

Mas parece que essa história da montadora apresentar um modelo elétrico para não ficar por fora da onda acabou. Isso já não basta.

No Salão de Frankfurt, na Alemanha, a impressão é de que o motor a combustão acabou. Em estandes como o da Volkswagen e da Mercedes-Benz simplesmente não havia nenhum carro puramente a combustão. Eram todos elétricos ou híbridos!

Corta a cena, desce o pano!

Há algum tempo outra tendência tem se intensificado: a do utilitário esportivo. Ele já é maioria em alguns mercados, dominante na Europa e no Brasil é o segmento que tem a maior quantidade de ofertas.

Anúncio

Há quem já considere que o SUV não é mais uma categoria de veículo, mas sim sinônimo de carro.

E, depois desse Salão de Frankfurt, há os que vão considerar que a eletricidade não é uma opção (pelo menos para a Europa), mas “o” combustível do carro, quer dizer, do SUV.

Assim, carro, agora, é SUV e combustível, eletricidade.

* Joel Leite é jornalista, palestrante e criador da Agência AutoInforme, agência especializada no setor automotivo

Foto: Divulgação/Mercedes-Benz