A Volvo atendeu necessidades especiais da Suzano, gigante do setor de papel e celulose, com uma versão do modelo FMX reforçada para poder tracionar 200 toneladas de toras de eucalipto por viagem.

Os caminhões integram composições hexatrem, ou seja, formada por seis semirreboques, somado 15 eixos e 52 metros de comprimento. Segundo a Volvo, com a nova capacidade de carga introduzida na operação, o ganho de produtividade foi de 127% na comparação com os habituais tritrens.

Após avaliações, a Suzano colocou em atividade 19 composições do gênero unidade de Três Lagoas (MS). Os hexatrens trafegam somente dentro das fazendas de eucaliptos da empresa, o que permitiu ganhos operacionais e ambientais ao reduzir o uso de 35 tritrens.

LEIA MAIS

→Volvo começa a vender caminhões elétricos na Europa

→Volvo cria área dedicada ao transporte autônomo

→Volvo FH540 responde por 7% das vendas de caminhões no País

Anúncio

“A Volvo foi a única empresa que se dispôs a desenvolver uma opção customizada capaz de transportar mais no mesmo tempo”, destaca em nota Alan Brehmer, gerente de logística da Suzano. “Em poucos meses de testes já é possível dizer que o FMX é mais preparado para o off-road.”

Para entregar o caminhão de acordo as solicitações da operação, os FMX receberam caixa de câmbio I-Shift de 14 marchas com duas super reduzidas adicionais associada ao motor de 540 cv, longarina dupla por toda a extensão, reforço no cardã e eixo traseiro com redução nos cubos de roda. As especificações promoveram capacidade para até 70 toneladas a mais em relação ao FMX de série.

De acordo com a Volvo, o FMX tem alta demanda por segmentos de atividade fora de estrada, como canavieiro, florestal e da mineração. O modelo atualmente responde em torno de 10% das vendas de pesados da marca.


Foto: Volvo/Divulgação