Caso fosse uma corrida e cada mês uma volta no circuito, o Volvo FH540 certamente estaria com a pista livre pela frente, sem nem mesmo enxergar ameaças pelo retrovisor. Baseado nos dados da Fenabrave, seu desempenho ao fim dos sete primeiros meses do ano, com mais de 3,7 mil unidades vendidas, o coloca na liderança disparada no mercado de caminhões. O volume, único no patamar alcançado, representou 6,7% do total de emplacamentos do segmento até julho, de 55,8 mil veículos.

Para se ter uma ideia de dimensão da vantagem, o modelo da fabricante de Curitiba (PR) iniciou o segundo semestre carregando diferença de mais 1 mil unidades em relação ao Scania R450, o vice-líder do mercado com 2,7 mil modelos licenciados de janeiro a julho.

Com o topo do ranking, naturalmente o Volvo FH540 também se vê isolado na ponta do subsegmento de pesados, categoria até agora responsável por impulsionar a recuperação do mercado. Nela o modelo da marca sueca ficou com 13,2% de participação em 28,5 mil emplacamentos até julho, em alta de 66% na comparação com o mesmo período do passado, quando os pesados acumularam 17,2 mil unidades.

LEIA MAIS

→Volvo traz evolução tecnológica na linha 2020

→Mercado de caminhões apura alta de 43% no ano

Depois dos pesados, os semipesados são os que mais acumulam licenciamentos, 13,1 mil caminhões, crescimento de 39,3% em relação ao volume registrado um ano antes, de 9,2 mil unidades. Na subcategoria, o Volkswagen Constellation 24.280 domina as vendas com pouco mais de 2 mil licenciamentos, o quer representou 15,5% de participação no acumulado do ano. Não chegou a colocar vantagem tão expressiva sobre o segundo colocado como faz o pesado FH540 em sua faixa de atuação, mas mostra superioridade considerável em relação ao Mercedes-Benz Atego 1719, com 1,3 mil unidades vendidas ou 10% de participação na classe acima de 15 toneladas.

Anúncio

Dentre os leves, o terceiro maior mercado de caminhões, com pouco mais de 6,3 mil unidades vendidas até julho, fatia de 11,2% das vendas totais, mas queda de 3,8% na comparação o acumulado de 2018, o VW Delivery 9.170 lidera o subsegmento com 1,7 mil modelos emplacados, 15,5% das vendas. O representante da VW, porém, começa a sentir ameaça do Mercedes-Benz Accelo 1016, que termina o período com 1,5 mil emplacamentos ou 24,1% das vendas de leves.

Se a Mercedes-Benz incomoda nos leves, a VW compensa nos médios, o quarto mercado de caminhões com 4,6 unidades vendidas de janeiro a julho, crescimento de 44% em relação há um ano. Na faixa, o Delivery 11.180 tem domínio absoluto, com 55% das vendas na categoria pelas 2,5 mil unidades vendidas nos sete primeiros meses do ano. Na vice-liderança, o Ford Cargo 1119 ficou muito distante, acumulando 697 licenciamentos, fatia de 15,1%.

A situação dentre os leves é oposta ao que ocorre nos semileves, o quinto mercado com 5,7% de participação das vendas totais. Na categoria, o Mercedes-Benz Sprinter 415 lidera com 1,2 mil emplacamentos ou 39,7% de participação nas vendas de 3,1 mil unidades.


Foto: Volvo/Divulgação