As vendas de automóveis da Europa sinalizam uma deterioração em contraste à recuperação que aponta a partir do segundo bimestre do ano. O mercado encerrou agosto carregando dois meses de quedas consecutivas, de 24%, em julho, e de 18%, em agosto.

Dados da Acea mostram que no mês passado o consumidor europeu absorveu 724,1 mil automóveis ante 884,5 mil unidades registradas no mesmo período do ano passado. Os volumes somam as vendas dos mercados da União Europeia, Reino Unido e do bloco da EFTA, Associação Europeia de Comércio Livre, (Suíça, Liechtenstein, Noruega e Islândia).

De acordo com analistas ouvidos pelas agências de notícias internacionais, a falta de semicondutores nas linhas de montagem reduz a oferta de produtos no varejo.

“Embora a pandemia ainda não tenha acabado, o maior desafio que a indústria enfrenta agora é a escassez de chips automotivos”, reforça relatório da consultoria LMC Automotive. “Apesar da melhora do cenário econômico na região, a recuperação agora está sendo contida.”

Com o volume das vendas de agosto, o mercado europeu somou 8,18 milhões de automóveis nos primeiros oito meses, alta 12,7% sobre o acumulado de 7,26 milhões de unidades anotadas um ano antes.

Anúncio

Segundo análise da Acea, ainda que tenha apresentado um desempenho fraco nos últimos meses, os crescimentos registrados no início preservaram o resultado em terreno positivo.

Dos três maiores vendedores de carros na Europa, o Grupo Volkswagen se mantém na liderança com 26,4% das vendas no acumulado até agosto. Foram negociados 2,15 milhões de automóveis, um crescimento de 14,5% sobre as vendas do mesmo período do ano passado.

A vice-liderança segue com Stellantis. As 1,68 milhão de unidades vendidas representaram alta de 14,8% e participação de 20,6% nas vendas totais da região. No terceiro lugar do pódio, o Grupo Renault encerrou o acumulado do ano com fatia de 8,7% ao contabilizar 711,5 mil carros vendidos, o que correspondeu a uma queda de 5,3%.

LEIA MAIS

→Venda de automóveis na Europa fecha o primeiro semestre em alta de 27%


Foto: Acea/Divulgação