Após 14 marcas anunciarem a decisão de desistir de participar do Salão do Automóvel deste ano, a Reed Exhibitions Alcantara Machado, organizadora do evento, divulgou nesta segunda-feira, 10, que a mostra “está atraindo vultuosos investimentos”, buscando, assim, deixar claro que, apesar dos problemas, o projeto para a edição 2020 ainda segue firme.

Programad0 para os dias 12 a 22 de novembro no São Paulo Expo, na capital paulista, o salão, segundo admitem algumas marcas, envolve custos elevados que não se justificam nas novas estratégias de marketing dos fabricantes. Em alguns casos, inclusive, tem sido uma postura mundial, envolvendo salões tradicionais do mundo todo.

LEIA MAIS

Frankfurt perde seu salão do automóvel

Como efeito dominó, Mitsubishi e Suzuki também desistem do salão

Dentre as marcas que já confirmaram ausência na 31ª edição do Salão de São Paulo está a líder General Motors, Toyota, BMW e Hyundai. As últimas a desistirem foram a Mitsubishi e Suzuki, do Grupo HPE, que foram bem explícitas quanto à decisão de fugir dos altos custos para participação na mostra.

Sem entrar em detalhes quanto à questão custo, a organizadora do evento garante que irá introduzir novos conceitos e atrações no salão deste ano, que terá quatro grandes pilares: evolução, tecnologia, mobilidade e entretenimento. “A Reed pretende não só erguer um evento memorável como liderar a renovação dos salões no mundo”, destaca a empresa em comunicado sobre a edição 2020.

Anúncio

Dentre as novidades, promete criar um aplicativo por meio do qual os expositores poderão conectar-se aos visitantes em diferentes formatos. “Cada atração do evento terá seu conteúdo reunido em um QR Code, podendo ser imediatamente capturado pelo smartphone do visitante”, informa a Reed. “Mas isso não é tudo. O caminho inverso também irá existir: cada visitante terá um QR Code em seu próprio ingresso. Quando o cliente manifestar interesse em qualquer produto ou serviço (carro, inclusive), ele será capturado por aquela marca visitada, gerando imediatamente um lead, que seguirá diretamente para o expositor”.

Segundo Leandro Lara, diretor de eventos da Reed Exhibitions, essa inovação vai gerar negócios para todos os expositores, inclusive vendas de carros. “Caberá a cada expositor a forma de gerenciar essas vendas com suas respectivas redes de concessionárias. Estimamos que mais de 500 mil leads sejam gerados durante os 11 dias de evento”.

A proposta é fazer com que o Salão do Automóvel destaque as novas tecnologias do setor e o futuro da multimobilidade de forma similar ao que ocorre com a feira norte-americana CES (Consumer Electronics Show). “Temos capacidade para ser uma moderna plataforma que reúne todos esses novos avanços”, comenta Lara.

Além das pistas de test-drives, a Reed trabalha com duas marcas para a criação de pistas off-roads, com a utilziação de uma área próxima à São Paulo Expo. Veículos elétricos e híbridos também terão pistas de test-drives específicas, assim como será definida uma pista específica para demonstrações de carros autônomos.


Foto: Divulgação/Salão do Automóvel 2018