A Anfavea admite risco de ter de parar produção de veículos devido às consequências do novo coronavírus nos próximos meses. Caso a epidemia se acentue é possível que ocorram novas interrupções da produção de fornecedores de componentes externos, especialmente vindos de países asiático.

“Até agora o ritmo de produção se mantém normal, mas existe o risco para a indústria de paradas de produção ainda em março ou abril”, enfatizou Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, durante apresentação do balanço do setor no primeiro bimestre. “Cada montadora já estuda alternativas para enfrentar um possível agravamento da situação.”

China é o maior fornecedor

De acordo com dirigente da Anfavea, a China responde pela maior parte de componentes, em torno de 13% em 2019. Como o país é distante, as peças só desembarcam por aqui depois de 8 a 10 semanas. Diante disso, se tornou prática na indústria nacional se precaver com estoques, o que dá fôlego, por enquanto para manter as linhas em atividade.

Anúncio

“Há alternativas já sendo levadas em conta, conforme a realidade de cada montadora. Pode-se reorganizar a programação de produção a partir de um outro mix de veículos, reduzir a velocidade da linha de montagem ou mesmo usar o transporte aéreo para busca de peças. E caso tenhamos que enfrentar o pior cenário, a recuperação posterior é rápida.”

LEIA MAIS

→Coronavírus já pode estar afetando importações de autopeças

→Coronavírus força o cancelamento do Salão de Genebra

→Anfavea prevê alta de 7,3% na produção de veículos este ano