Diferentemente do declínio abrupto que ocorreu nos segmentos de automóveis e veículos comerciais impactados pelas paralisações nas atividades em função da pandemia do novo coronavírus, o setor de máquinas agrícolas e rodoviárias apresentou mais um salto mensal em vendas, exportações e produção como já vinha demonstrando desde o início do ano.

De acordo com os dados divulgados pela Anfavea na segunda-feira, 6, no mês passado as vendas para o mercado interno somaram pouco mais de 4,1 mil unidades, altas de 46% em relação a fevereiro, quando anotou 2,8 mil máquinas entregues, e de 10,3% sobre março do ano passado, com 3,7 mil unidades.

Segundo comunicado da associação, além da maioria das fábricas do segmento só interromper produção no início de abril, os negócios se mostravam aquecidos até então.

“Trata-se de um período importante para a produção de alimentos no Brasil e na América do Sul. É o momento da colheita e o produtor precisa necessariamente de todas as tecnologias que ajudam a reduzir custo e aumentar produtividade”, resume em vídeo Alfredo Miguel Neto, vice-presidente da Anfavea para máquinas. “Até agora, todos os fundamentos da agricultura são positivos, os preços internos estão em alta e a China, cada vez mais, continua comprando do Brasil.”

Embarques crescem

Nas exportações, a indústria nacional enviou para outros mercados 980 máquinas em março, volume 18,9% superior ao apurado em fevereiro, de 824 unidades. O desempenho, no entanto, ainda é 11,9% abaixo do anotado há um ano, de 1,1 mil unidades embarcadas.

Anúncio

O resultado negativo na comparação anual entre meses se reflete também no acumulado do ano, com retração de 12,9% nas remessas, de 2,3 mil unidades registradas no primeiro trimestre frente a 2,6 mil anotadas um ano atrás.

Estoques garantidos

Com vendas e exportações mensais em alta, também o ritmo no chão das fábricas aumentou. As 4,1 mil máquinas que saíram das linhas de montagem no mês passado representaram alta de 14,9% em relação a fevereiro, quando registrou volume de 3,5 mil unidades produzidas. Mas foi 7,7% menor na comparação com março do ano passado, com 4,4 mil unidades montadas.

De janeiro a março, a produção 10,2 mil unidades marcaram queda de 5,7% em relação ao volume registrado no mesmo trimestre de 2019, de 10,8 mil máquinas.

De acordo com comunicado da Anfavea, as fabricantes de máquinas agrícolas garantem ter estoque para atender aos produtores rurais, atividade considerada essencial, como também seguem com as unidades de pós-venda em atividade, como assistência técnico e distribuição de peças. “É também um momento de dar suporte ao campo, de maneira que a produção rural não seja prejudicada”, ressalta o vice-presidente da Anfavea.

LEIA MAIS

→Mercado de máquinas fecha 2019 em queda de 8,4%


Foto: Case CNH Industrial/Divulgação