Com atividades paralisadas desde 23 de março, a Caoa está entre as montadoras que decidiram retomar atividades esta semana. A fábrica de Anápolis, GO, voltou a produzir na segunda-feira, 22, mesmo dia em que Ford, Nissan e Toyota reiniciaram operações em Camaçari, BA, Resende, RJ, e no interior paulista, respectivamente.

A PSA voltou na terça-feira, 23, e a FCA, Fiat Chrysler Automobiles, General Motorsagora a única montadora de automóveis paralisada no País é a Honda, que prevê reiniciar produção em 13 de julho.

Ao revelar o retorno das atividades no interior goiano, a Caoa destacou uma série de medidas adotadas para garantir a saúde e a segurança dos colaboradores. Dentre elas, a medição da temperatura antes do acesso dos funcionários à fábrica e a entrega diária de máscaras protetivas, uma para cada parte da jornada, com especificações recomendadas pela Anvisa.

“Desde o início da pandemia a Caoa esteve 100% empenhada na contenção da propagação da Covid-19, seguindo as recomendações do Ministério da Saúde”, comenta Mauro Correia, CEO da empresa. “Trabalhamos junto com nossos fornecedores buscando minimizar impactos em nossa cadeia produtiva e obedecendo todos os protocolos estabelecidos pelo governo. Nesse retorno, trabalhamos em conjunto com o Sindicato dos Metalúrgicos de Anápolis e estamos seguindo todas as normas estipuladas pelas organizações de saúde, readequando nossa planta e, em muitos casos, tomando providências que extrapolam as recomendações de segurança”.

Anúncio

LEIA MAIS

Toyota, Ford, Nissan e PSA retomam produção

Honda adia retomada da produção para o dia 13 de julho

Os principais espaços de concentração e acesso à unidade de Anápolis receberam demarcações para que sejam mantidas o distanciamento mínimo necessário. Para utilização do transporte fretado fornecido pela empresa será necessária a utilização de máscaras e a entrada no ônibus só será permitida após a medição de temperatura. Os veículos estão sendo higienizados a cada viagem e tendo a quantidade de usuários reduzida  para garantir o distanciamento necessário.


Foto: Divulgação/Caoa