Com direito a evento na London Eye, famosa roda gigante da capital da Inglaterra, a Hyundai lançou no último domingo, 9, a Ioniq, sua marca global dedicada a veículos elétricos alimentados exclusivamente a baterias. De imediato, a empresa confirma que já estão definidos ao menos três modelos que chegarão as ruas dos principais mercados globais nos próximos quatro anos.

Segundo a Hyundai, a criação da marca  exclusiva de veículos integralmente elétricos é uma “resposta à crescente demanda do mercado e acelera o plano da Hyundai de liderar o mercado global de EV”.

A nova marca, afirma a Hyundai, combinará em seus veículos carregamento ultrarrápido, interior espaçoso, design, tecnologias e serviços. “A Ioniq mudará o paradigma da experiência do cliente EV”, afirma Wonhong Cho, vice-presidente executivo e diretor de marketing global da Hyundai Motor Company.

A palavra Ioniq é a fusão  de”íon” e “único” e  foi criada para projeto de pesquisa e desenvolvimento de longo prazo  de mobilidade ecológica da montadora coreana. Já em 2016  foi apresentado um veículo que contemplava três opções de trem de força eletrificado:  híbrido elétrico, híbrido plug-in e elétrico a bateria.

Anúncio

Os futuros Ioniq, porém, serão só mesmo elétricos a bateria e receberam os nomes  Ioniq 5, Ioniq 6 e Ioniq 7. Os números pares serão utilizados para sedãs e os ímpares, para SUVs.

O 5 será, na definição da Hyundai, um CUV de médio porte e chegará às ruas já no começo de 2021. O projeto deriva do conceito EV ’45’, apresentado no Salão Automóvel de Frankfurt de 2019. Já no ano seguinte começa a ser produzido o sedã 6, baseado em outro modelo conceito, o EV ‘Prophecy’, exibido em março. O Ioniq 7, um  SUV grande, tem lançamento previsto somente para 2024.

Os carros da Ioniq serão fabricados sobre a plataforma E-GMP —  Plataforma Modular Global Elétrica. Ela permitirá, assegura a empresa,  “reimaginar o interior do veículo como um espaço de vida inteligente, com assentos altamente ajustáveis, conectividade sem fio e recursos exclusivos, como um porta-luvas projetado como gavetas”.

 


Foto: Divulgação