Com queda de 33,7% nas exportações e de 28,4% nas importações em relação a idêntico período de 2019, a indústria de autopeças encerrou os primeiros seis meses do ano com déficit comercial de US$ 1,61 bilhão, o que indica retração de 18,4% na mesma base de comparação e, em termos históricos, é o menor saldo negativo para o primeiro semestre do ano desde 2010.

“Duramente afetadas pelos impactos econômicos, sociais e logísticos da Covid-19, as vendas ao exterior somaram US$ 2,46 bilhões  no acumulado do semestre e as aquisições em outros mercados, US$ 4,07 bilhões”, revela o Sindipeças em seu relatório mensal da balança comercial.

Ainda de acordo com a entidade, contribuíram para os resultados verificados no semestre a retração das vendas de autopeças para os principais mercados compradores, como Estados Unidos, Argentina, Alemanha, México e Holanda, e a diminuição das importações, que pode ser atribuída, dentre outros fatores, à alta do dólar, à retomada interna incipiente e à substituição por fornecedores locais.

LEIA MAIS

Autopeças demitem e projetam queda de 30% em 2020

Cresce ritmo de demissão nas montadoras

Caminhões pesados sustentam alta nas vendas do segmento

Anúncio

Em junho, pela primeira vez no ano, as exportações registram alta em relação ao mês imediatamente anterior, o que o Sindipeças atribui à gradual abertura dos mercados por conta da melhoria das condições sanitárias em várias partes do mundo – especialmente Europa e Ásia – e da forte desvalorização da moeda brasileira. As vendas externas chegaram a US$ 342,5 milhões no sexto mês do ano, alta de 43% sobre maio.

Com relação a junho de 2019, no entanto, verifica-se queda de 37%. No sexto mês do ano passado foram exportados US4$ 543,4 milhões. De qualquer forma, é um índice inferior aos resultados interanuais observados em abril (-57,4%) e maio (-63,6%).

No comparativo de junho deste ano com junho de 2019, os principais mercados de peças brasileiras, dentre eles Estados Unidos, Argentina e México mostraram contrações acima da média de queda do setor, com índices na faixa de 40% a 48%. A exceção foi a Alemanha, com recuo de 14,2%.

Ao totalizar US$ 466,7 milhões em junho, as importações de autopeças mantiveram retração interanual ao redor de 45%, próxima à dos meses de abril e maio. Na passagem mensal, segundo o Sindipeças, a queda foi ainda mais intensa do que à do mês anterior, aproximando-se de 18%.