Osecretário da Indústria, Comércio e Serviços de Goiás, Adonídio Neto, aproveitou o evento de anúncio do novo aporte de R$ 1,5 bilhão da Caoa em Anápolis, GO, para revelar outros investimentos industriais no Estado, dentre os quais um de R$ 800 milhões da Mitsubishi em sua fábrica de Catalão.

“Goiás receberá, ao todo, R$ 3,3 bilhões em novos investimentos, por parte de 49 empresas”, comentou o secretário, citando em particular o da Mitsubishi que, segundo ele, vai ter novas linhas de produtos na unidade goiana.

O secretário e outras autoridades de Goiás aproveitaram a cerimonia promovida pela Caoa nesta segunda-feira, 23, para ressaltar a importância da prorrogação do incentivo fiscal federal para as empresas automotivas instaladas na Região Centro-Oeste, deixando claro que a consideram uma conquista do Estado junto aos poderes executivo e legislativo.

LEIA MAIS

Caoa investirá R$ 1,5 bilhão em Goiás em cinco anos

Toyota critica prorrogação de incentivos para o Centro-Oeste

Anúncio

A renovação dos benefícios fiscais foi aprovada na Câmara dos Deputados e, na sequência, no Senado, por meio da Medida Provisória 987/2020. O texto original da MP não contemplava o Centro-Oeste, apenas Norte e o Nordeste.

No dia 28 de outubro o presidente da República assinou lei prorrogando de 30 de junho para  31 de outubro de 2020 o prazo para as empresas apresentarem projetos de investimento e receberem o benefício de IPI.

O crédito poderá ser usado para descontar o valor a pagar nas contribuições de PIS e Cofins em vendas realizadas pelas empresas do setor automotivo entre 1º de janeiro de 2021 e 31 de dezembro de 2025. Em contrapartida, as montadoras precisam respeitar patamares mínimos de investimentos em inovação tecnológica, desenvolvimento e pesquisa.

Além de falar da importância de o Centro-Oeste ter sido contemplado com os benefícios fiscais, Adonídio Neto também fez um breve resumo da produção industrial em Goiás, garantindo que, na contramão do que aconteceu em outros lugares, o Estado registrou crescimento de 2% até setembro e de mais de 5% no comparativo daquele mês com um ano antes.


Foto: Divulgação/Mitsubishi