Mesmo faltando ainda três semanas para o término de dezembro, o Grupo Caoa já comemora o resultado das operações industriais de Anápolis, GO, e Jacareí, SP, e, especialmente, do desempenho de mercado da marca Caoa Chery, que concentra hoje a maior parte dos esforços do conglomerado brasileiro que produz ainda modelos Hyundai e reúne serviços financeiros, locação de veículos e mais 229 concessionárias.

Não à toa a Caoa Chery é, digamos, a bola da vez no grupo criado e comandado pelo empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade. Surgida em 2017, com a compra de metade dos ativos da montadora chinesa no País pela Caoa, a marca encerrará seu quarto ano de vida com mais de 1% de participação do mercado interno de automóveis.

→ Caoa investirá R$ 1,5 bilhão em Goiás em cinco anos

O CEO Márcio Alfonso projeta 20,2 mil veículos licenciados em 2020, o mesmo número registrado nem 2019. Não deixa de ser resultado positivo, muito acima das melhores expectativas para ano de retrações de dois dígitos de quase a totalidade das motnadoras e do mercado total.

“Nos últimos três meses, estamos no ritmo que prevíamos no começo do ano, antes da pandemia”, afirma o executivo, que  não esconde o objetivo de colocar a Caoa Chery entre as dez marcas de automóveis mais vendidas no Brasil até 2023.

Não é pouca coisa. Bem o contrário, a se considerar os números da Nissan, atual décima colocada. Se de janeiro a novembro a Caoa Chery acumulou 16,9 mil licenciamentos, foram 47,7 mil da concorrente, três vezes mais e equivalentes a 3,4% de participação.

Mas para quem passou de fatia de meros 0,17% em 2017 para 1% três anos depois o objetivo pode ser bastante palpável.

Caoa Chery - linha de montagem de jacareí - tiggo 2

Anúncio

Ainda mais porque a montadora tem programados, já para 2021, cinco lançamentos —muito importantes, na definição de Alfonso —, além de atualizações dos modelos conhecidos e incorporação de tecnologias que devem estar consolidadas mesmo no ano seguinte, como versões híbridas e flex.

Será um cardápio de novidades até superior ao de 2020, quando chegaram às revendas, por exemplo, o sedã Arrizo 6, em junho, e o Tiggo 8, em agosto. O topo de linha e quarto SUV da marca tem demanda muito maior do que o imaginado quando de seu lançamento, assegura Alfonso.”Pensávamos em 300 unidades mensais e temos trabalhado com 800 unidades. Já entregamos o veículo número 1 mil.”

Com os produtos previstos para os próximos meses, a consolidação da oferta dos veículos recém-apresentados e a ampliação da rede de revendas dos atuais 115 para 150 pontos em um ano, a Caoa Chery projeta um salto de vendas da ordem de 70% (!!) em 2021.

Chegaria, assim, a pelo menos 34 mil unidades, perto de 1,5% de participação, e pavimentaria o caminho para ingressar no ranking das 10 marcas mais vendidas talvez até já em 2022, como deixou escapar Mauro Correa, CEO do grupo durante entrevista coletiva online nesta terça-feira, 8.

Os recursos para os movimentos que devem, em parte, sustentar esse ambicionado avanço foram anunciados há apenas três semanas. A fábrica de Anápolis, base produtiva dos Tiggo 5, 7 e do recém-lançado 8, receberá R$ 1,5 bilhão nos próximos cinco anos para, dentre outras melhorias, aumento de capacidade de 86 mil para 100 mil veículos anuais.

LEIA MAIS

Caoa Montadora atinge 300 mil carros fabricados em Goiás

A Caoa Chery também pretende assegurar maior competitividade de seus veículos aumentando o índice de nacionalização de componentes e, assim, reduzir a grande exposição que tem às variações do dólar. Sem explicitar qual o nível de conteúdo local em cada um dos veículos, a empresa admite apenas que trabalhará para atingir média de 40% “nos próximos anos”.

Márcio Alfonso revelou que o programa de nacionalização terá um capítulo importante em janeiro. A empresa já tem organizado workshop com fornecedores de vários portes para avaliação de componentes que pretende ver produzidos aqui.


Foto: Divulgação