Afalta de alguns modelos 0 km tem contribuído para movimentar o mercado de veículos usados no País, conforme admite a Fenabrave em seu relatório mensal sobre esse segmento, divulgado nesta terça-feira, 8.

Considerando automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas e implementos rodoviários, foram acomercializadas mais de 1,4 milhão de veículos usados no mês passado, volume que representou alta de 16% em relação a novembro de 2019 (1,2 milhão de unidades).

No comparativo com outubro, que teve 21 dias úteis, há queda de 3,7%. Mas como novembro teve um dia útil a menos, o balanço da média diária de vendas indica estabilidade na passagem mensal , com pequena alta de 1% – 70.601 contra 69.859 unidades -, segundo dados publicados na véspera pela Fenauto, entidade que representa o setor de lojas multimarcas de veículos seminovos e usados.

“Considerando o menor número de dias úteis, o mercado de usados seguiu aquecido em novembro”, comenta o presidente da Fenabravem Alarico Assumpção Júnior. “Essa melhora é resultado do aumento dos índices de confiança do consumidor, impactado, também, pela boa oferta de crédito e pela falta de alguns modelos de carros zero km no mercado”.

No acumulado de janeiro e novembro deste ano, as vendas de usados atingiram 11.164.995 unidades, o que representou retração de 15,8% na comparação com o mesmo período de 2019, quando foram comercializadas 13.265.298 unidades. A queda nesse caso equivale à metade da verificada no mercado de veículos novos, que está na faixa de 30%.

Anúncio

LEIA MAIS

Venda de veículos bate novo recorde no ano

Montadoras podem parar por falta de insumos e peças

Ainda segundo dados da Fenabrave, o mercado de automóveis e comerciais leves usados acumula mais de 8,2 milhões de negócios este ano, volume 17,4% inferior ao dos primeiros 11 meses de 2019 (quase 10 milhões de unidades).

Do total veículos leves transacionados, os usados entre 1 a 3 anos de fabricação, aqueles chamados de seminovos, representaram 14,5% do total negociado em novembro e 13,2% no acumulado de 2020.

 

 


Foto: Divulgação/Fenauto