Em contraste com a queda de 12,3% nas vendas de caminhões no acumulado de 2020, a demanda por novas cotas de consórcio nesse segmento cresceu 14,7% no ano, totalizando 108,8 mil adesões, ante as 94,8 mil de 2019. Com 57,2% de participação, os caminhoneiros autônomos são os principais clientes dessa modalidade de compra.

Os dados constam de pesquisa específica do segmento de pesados divulgada nesta terça-feira,23, pela Abac, Associação Brasileira das Administradoras de Consórcio, que mostra ainda a predominância dos caminhões pesados entre os bens mais procurados no segmento, com fatia de 49,5% das vendas. Na sequência vêm os médios (23,5%), leves (23,4%) e extrapesados (3,6%).

De acordo com a assessoria econômica da entidade, a pandêmia da Covid-19 acabou favorecendo a venda de bens ligados ao transporte e ao agronegócio. “Devido ao isolamento social, aumentou a necessidade de reabastecimento do comércio em geral, principalmente dos supermercados e das vendas on-line, o que movimentou a área de transporte, tanto com os extrapesados, cruzando as rodovias, como com os leves nas áreas urbanas”, avalia a Abac.

LEIA MAIS

Adesões ao consórcio de veículos cresce 2,3% em 2020

Venda de caminhões inicia o ano em leve crescimento

Produção de caminhões perde fôlego em janeiro, mas acima do início de 2020

Anúncio

Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da associação, diz que os resultados demonstram que, além da potencialidade de mercado, houve evolução comportamental do transportador quanto à forma de adquirir esses veículos, seja pessoa jurídica ou autônomo.

Dentre as peculiaridades do sistema de consórcio ele destaca o custo final baixo, prazos longos de pagamento e aproveitamento de até 10% do crédito para despesas com documentação, tributos e seguro.

Por região, a maior demanda por essa modalidade de venda na área de pesados concentra-se na região Sudeste, que tem 51,2% de participação, seguida do Sul, com 18,5%. Centro-Oeste, Nordeste e Norte, com 7,5% reponderam, respectivamente, por 12,8%, 10% e 7,5%.

No que diz respeito aos implementos agrícolas, também contemplados no segmento de pesados, as maiores procuras são pelos bitrens e graneleiros, com 12,5% cada, seguidas pelos baús, com 10%. Na sequência vêm basculantes, carga seca, tanques, frigoríficos, pranchas, rodotrens, canavieiros, cegonheiros e cargas vivas, entre outros, com percentuais inferiores, somando 65%.

“Mesmo com as dificuldades enfrentadas durante o ano passado, pode-se notar evolução do consumidor que, a partir de maior conhecimento da essência da educação financeira, passou a planejar mais, evitar as compras por impulso e só assumir novos compromissos financeiros quando capazes de cumpri-los, utilizando o consórcio como forma de crescer, renovar ou mesmo iniciar um novo negócio”, complementou o presidente da Abac.


Foto: Pixabay