Na contramão do mercado de veículos novos, o segmento de seminovos e usados, incluindo leves, pesados e motos, mantém trajetória de alta, com total de 1.188.887 negócios realizados em fevereiro, volume 2,5% superior ao de janeiro (1.159.997 unidades) e 16,8% maior do que o registrado no mesmo mês do ano passado (1.017.621) .

Ao divulgar os dados do setor nesta quarta-feira, 3, o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, chamou a atenção para a perda de participação do Estado de São Paulo nas vendas nacionais de usados, fruto do aumento de 207% no ICMS desses veículos, que passou de 1,8% para 5,3% em 15 de janeiro.

“Ante quase 40% de participação que tinha até o final  do ano passado, o estado passou a responder por 34% das vendas de carros seminovos e usados no País em janeiro, índice reduzido para 31,2% no mês passado. O governo de São Paulo está afugentando os negócios, que vêm sendo feitos em estados que não majoraram o ICMS”, comentou Assumpção Jr.

Na sua avaliação, o aumento do importo acarretará em relevante perda de arrecadação. “Isso já era esperado e alertamos o governo em oito encontros que tivermos antes mesmo da majoração vigorar. Agora, teremos cada vez mais informalidade no estado e as consequências serão dramáticas, como o fechamento de empresas e a perda de empregos do setor”, alertou o executivo.

Ele lembrou, ainda que são 1,7 mil concessionárias atutando em São Paulo que, juntas, empregam diretamente mais de 70 mil pessoas. “Se em meio a essa pandemia absurda, o governo ficar com mais de 55% da margem de comercialização dos veículos usados, e o empresário ainda tiver de pagar as outras despesas administrativas, como aluguel, salários e impostos federais, o que sobrará? Um saldo negativo, certamente. Como vamos sobreviver a isso?”, questionou o presidente da Fenabrave.

Anúncio

Para evitar o aumento do ICMS, a entidade chegou a sugerir a adoção do Renave, Registro Nacional de Veículos em Estoque, como opção para atrair a formalização dos negócios de usados. Segundo estudo contratado pela Fenabrave, apenas 20% das transações de veículos usados são formalizadas, o que representa um enorme potencial de arrecadação ao estado.

LEIA MAIS

Com alta do ICMS, venda de carros despenca em São Paulo

Mercado de veículos desacelera no primeiro bimestre

No âmbito nacional, as transações com carros e comerciais leves usados atingiram 876.306 unidades, alta de 15,1% em comparação ao mesmo mês de 2020 e de 0,82% em relação a janeiro. Do total do segmento, os seminovos, com 1 a 3 anos de uso, representaram quase 10% das negociações.

Com relação ao desempenho do mês passado, o presidente da Fenabrave diz que a suspensão do feriado de Carnaval contribuiu para o aumento das vendas, assim como a queda na oferta de carros 0 km, que levou consumidores que tinham necessidade imediata do veículo a optarem pelo seminovo.


Foto: Divulgação/Fenabrave