A indústria de implementos, que conseguiu repetir desempenho de 2019 no ano passado, segue firma em processo de recuperação. Emplacou 22.358 unidades no primeiro bimestre, com expressiva alta de 29,8% sobre o mesmo período de 2020, quando comercializou 17.219 implementos.

O setor vinha em crise desde 2016 e, apesar da pandemia da Covid-19, iniciou processo de recuperação no segundo semestre do ano passado, beneficiado, principalmente, pelo bom momento do agronegócio. “Temos tudo para manter este ano a retoma consistente no crescimento dos negócios”, avalia Norberto Fabris, presidente da Anfir, Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários.

Ele destaca, no entanto, preocupação com os custos relativos a matérias-primas, em especial o aço. “Qualquer revés será desastroso para a indústria de implementos”, comenta o executivo, ao alertar sobre a tentativa do setor siderúrgico de aplicar novo reajuste no preço dos seus produtos.

LEIA MAIS

Vendas de implementos rodoviários fecharam 2020 no azul

Anúncio

Anfir pede suporte do BNDES para clientes conseguirem crédito

Montadoras podem parar por falta de insumos e peças

De acordo com o executivo, o aço teve aumento superior a 80% em 2020 e a maior parte desse custo não foi repassado pela indústria de implementos ao cliente final. Ele diz que novo reajuste interromperia o ritmo de recuperação da indústria: “Trata-se de um insumo fundamental à nossa atividade porque o aço tem participação na
produção de nossos produtos de até 80%”.

Por segmento, o que mais cresceu foi o de reboques e semirreboques, que totalizou venda de 13.323 implementos no bimestre, elevação de 47% sobre os 9.050 emplacados nos primeiros dois meses de 2020. No que diz respeito ao setor de carroceria sobre chassis, o desempenho foi positivo em 20,6%, com, respectivamente, 9.035 e 8.169 unidades.


Foto: Divulgação/Truckvan