Aprodução de motocicletas passa longe dos problemas de abastecimento de componentes que tem afetado os fabricantes de automóveis. Não fosse assim, o setor não estaria comemorando a fabricação de 125,5 mil motos em março. O número supera em 22,1% o montante registrado em igual mês do ano passado e representa salto de 116,4% sobre a produção de fevereiro.

Apesar disso, o saldo foi negativo no acumulado dos três primeiros meses de 2021. De janeiro a março, saíram das linhas de montagem 237,2 mil motos, 20,3% a menos do que no primeiro trimestre de 2020. Muito em função do agravamento da pandemia da Covid-19 em Manaus, AM, polo produtor das  empresas associadas da Abraciclo, Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares.

“Depois de dois meses, as fábricas retomaram suas operações normalmente, seguindo os protocolos sanitários. Com isso, voltamos ao patamar de produção que deve se manter nos próximos meses e esperamos atender à demanda do mercado, reduzindo a fila de espera por motocicletas”, afirma Marcos Fermanian, presidente da dentidade.

A Abraciclo entende que, aos poucos, a relação entre oferta e demanda será equilibrada nos próximos meses e, portanto, mantém a previsão inicial de produzir 1, 06 milhão de motocicletas em 2021,  o que representaria avanço de 10,2% sobre as 962 mil fabricadas no ano passado.

Por outro lado, também os negócios têm sido atrapalhados pelas medidas de restrições ao comércio e que resultaram no fechamento de revendas durante alguns dias em diferentes cidades e pela deficiência na oferta de produtos. Já no ano passado, a pandemia começou a refletir de forma mais intensa somente a partir de abril.

Anúncio

Em março, foram licenciadas 62,3 mil motos, alta de 8,5% na comparação com fevereiro, mas recuo de 17,4% sobre igual mês de 2020. Com 23 dias úteis, a média diária de vendas foi de 2.707 motocicletas, pior resultado para o mês desde 2003, quando 3.240 emplacamentos foram registrados a cada dia.

LEIA MAIS

→ BMW lança edições especiais da linha de motos GS

→ 150 mil consumidores na fila de espera para comprar motos

“O varejo sofreu as consequências da suspensão temporária das operações de algumas fabricantes em janeiro e fevereiro. Além disso, diversas empresas associadas precisaram readequar seus turnos em função do toque de recolher no Estado do Amazonas devido à pandemia. A recuperação da produção em março deve refletir nos resultados de abril”,  pondera Fermanian.

Após os três primeiros meses do ano, os emplacamentos totalizaram 205,4 mil unidades, queda de 16,8% na comparação anual.  O segmento de Street respondeu por  98,7 mil motos, 48% do mercado, seguido pelo de Trail, 40,9 mil unidades e 19,5% de participação.


Foto: Divulgação