Ao divulgar o balanço do setor em agosto e no acumulado do ano, o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, fez questão de falar sobre a crise político/institucional que assola o País, admitindo que o momento atual não é propício para discutir novos projetos junto às matrizes, ou seja, há risco de não serem aprovados novos investimentos nas operações locais.

“Há uma preocupação muito grande quanto aos reflexos dessa crise na economia brasileira. A imagem do Brasil lá fora não é boa e sempre a primeira parte das reuniões que fazemos com as matrizes é sobre a situação do mercado local e a questão político/econômica”, comentou o executivo, lembrando que há ociosidade hoje em fábricas de diferentes países, que podem capitalizar investimentos que a princípio viriam para cá.

O presidente da Anfavea destacou que o ambiente econômico está piorando gradativamente, o que afeta os negócios do setor. “São 14 milhões de desempregados, total que chega a 20 milhões considerando os desalentados. A inflação está em alta, assim como os juros. Nos preocupa muito o atual momento do ponto de vista político/institucional”.

A Anfavea, segundo ele, apoiou texto da Fiesp defendendo a estabilidade institucional divulgado na véspera das manifestações de 7 de setembro e que foram marcadas pela defesa de medidas anticonstitucionais, como o fim do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Tudo realmente nos preocupa e esperamos que o Supremo e o Congresso tenham calma e avaliem o que pode ser feito do ponto de vista jurídico e em prol da sociedade. É preciso encontrar o caminho do diálogo para que a gente volte a crescer, para retomar o desenvolvimento do País”, destacou Moraes.

Anúncio

Em conversa com um grupo de jornalistas após a coletiva de divulgação dos números do setor, o presidente da Anfavea disse, inclusive, já ter comentado que Brasília está só pensando em 2022,  sem se atentar que é preciso terminar 2021. “Há muita gente morando na rua. Não tem sentido o Brasil produzir alimentos destinados a 800 milhões de pessoas no mundo e ter brasileiro passando fome”.

LEIA MAIS

Produção de veículos: pior agosto desde 2003.

Produção de caminhões registra leve alta de 1,1% em agosto

Exportações de veículos desaceleram no segundo semestre

Além da crise política, a indústria também enfrenta problemas com falta de semicondutores, o que tem impedido uma avaliação mais precisa quanto ao comportamento do mercado este ano. Também preocupa a crise elétrica. “Nós temos fornecedores no País todo. Se faltar energia em uma localidade que concentre a produção de autopeças, toda a cadeia será afetada”, lembrou Moraes.