Representante de marcas que vivem apenas das importações e também de algumas com produção local, a Abeifa segue com suas associadas registrando desaceleração das vendas no mercado brasileiro. A queda é maior no caso dos veículos importados, que totalizaram 2.188 emplacamentos em agosto, volume 14,4% inferior ao de julho (2.555).

“Os resultados comerciais das associadas poderiam ter sido melhores em agosto, mas ainda persiste forte influência do câmbio e da falta de vários produtos de nossas marcas, por conta do abastecimento instável de insumos”, comenta João Henrique Oliveira, presidente da Abeifa, reforçando problemas com falta de produtos para atendimento adequado da demanda.

LEIA MAIS

Anfavea: crise institucional pode afetar investimentos no País.

Produção de veículos: pior agosto desde 2003.

O balanço das vendas de produtos fabricados no País sofreu queda bem menor no comparativo mensal, de apenas 0,6%, com 4.813  licenciamentos em agosto ante os 4.842 do mês anterior. Considerando os dois segmentos que a entidade representa, foram 7.001 e 7.397 emplacamentos, respectivamente, recuo de 5,4% no mesmo comparativo.

Anúncio

Em relação a agosto de 2020, com 5.467 veículos comercializados pelas 11 associadas da Abeifa, houve aumento de 28,1%. Os desempenhos também são positivo no acumulado dos primeiros oito meses do ano. Houve aumento de 5,3% na comercialização de veículos importados, com17.924 unidades em 2021 ante as 17.022 do mesmo período do ano passado.

No caso da produção nacional, a alta chegou a 79%, com, respectivamente, 30.963 e 17.296 veículos vendidos. Somadas as unidades importadas e as nacionais, com total de 48.887 licenciamentos este ano, as associadas à Abeifa registram incremento de 42,5% e participação de 4,42% nas vendas totais de automóveis e comerciais leves no mercado brasileiro.

Das marcas filiadas à Abeifa que têm produção local, a Caoa Chery é o destaque positivo. Suas vendas cresceram 127,2% este ano, com 23,8 mil emplacamento de janeiro a agosto, ante os 10.470 de idêntico período de 2020. Entre as importadas, a Volvo é a que registra maior volume de vendas, com 5.318 unidades comercializadas em 2021 e um crescimento de 32,1% sobre as 4.025 dos primeiros oito meses do ano passado.

A Kia Motors, segunda no ranking das marcas importadas, teve queda de 10,2% nesse mesmo comparativo, com 3.230 emplacamentos este ano, ante os 3.597 de janeiro a agosto de 2020.


Foto: Divulgação/Kia