Clientes da Volkswagen Caminhões e Ônibus começarão a receber nos próximos dias as primeiras unidades do e-Delivery, o primeiro caminhão 100% elétrico produzido em série no País. Assim, se iniciará de maneira efetiva nas operações de distribuição urbana um transporte sem emissões, silencioso e, segundo a empresa, com menores custos operacionais.

Até o fim do ano, a fabricante de Resende (RJ) tem programado a entrega 200 unidades. Além de 100 modelos destinados à Ambev, desde o lançamento oficial comercial em meados de julho, a Femsa encomendou 20 unidades e outros 80 caminhões estão pulverizados em clientes e rede.

“Estamos aprendendo com as argumentações do mercado transportador. Ao mesmo tempo, é surpreendente o interesse, acima do que esperávamos”, admite Ricardo Alouche, vice-presidente de vendas, marketing e serviços da VWCO.

Com as demandas que absorve, a montadora acrescenta ferramentas para o negócio e já vislumbra cenários. No apoio ao cliente e providenciar programação de produção, a fabricante acaba de lançar consórcio específico para e-Delivery, o primeiro para veículo elétrico do País.

A novidade oferece 260 cotas, com planos de 80 meses e taxa de administração de 4% ao mês ao longo do contrato. As parcelas mensais são a partir de R$ 9.815,00. No caso, para o modelo 4×2 com conjunto de três baterias.

O novo produto financeiro se coloca para modelos de negócios do transporte baseados na programação de compras, uma intenção que Alouche estima crescer a passos largos. O debate em torno da sustentabilidade se intensificará ao longo do tempo e mitos serão derrubados.”

Pelas projeções de Alouche, o caminhão elétrico deverá encerrar o ano que vem com participação de 1% na frota urbana e alcançar 15% até 2030. Os argumentos para o crescimento são fortes, além da ideia de não produzir emissão de gases poluentes.

De acordo com a montadora, a solução movida a bateria entregará ao transportador um custo de manutenção 30% menor em relação ao diesel, além de 10% a mais de disponibilidade.

Anúncio

“Por não produzir ruido, permite ainda jornadas durante à noite, o que possibilita mais produtividade. Depois, o custo da energia já parte de 20% a menos em relação ao diesel. Com parceiros que providenciam geração de energia, o custo pode chegar a 50% menos”, defende Alouche.

Diante do cenário que enxerga, a fabricante já trabalha com a expectativa de entregar ao menos 50 e-Delivery por mês no ano que vem. “E se houver mais demanda, temos capacidade para atender”, garante.

Se ainda é necessário discorrer as vantagens que o caminhão elétrico pode proporcionar ao negócio, talvez a experiência de dirigir seja decisiva. De maneira simplista, basta acelerar e frear. Mas não se resume a só isso.

Com toda certeza o motorista ganha em prazer ao dirigir. O veículo não emite ruídos e, no acelerador, uma grande diferença. Com torque de 2.150 Nm (219 kgfm), equivalente a caminhão pesado, entregue de saída, a resposta é imediata.

O modelo ainda conta com três níveis de regeneração de energia. O recurso atua como um freio motor, além de adiar a visita à estação de recarga durante o serviço. Encerra o pacote, o auxílio da conectividade pela plataforma Rio na gestão tanto do veículo quanto da operação. Assim, em tempo real, o gestor tem a localização do caminhão e a autonomia que lhe resta para cumprir as tarefas do dia.

LEIA MAIS

→VWCO inicia novo capítulo com o lançamento comercial do e-Delivery

→VWCO estrutura novo modelo de negócio para o e-Delivery

→VWCO inicia produção em série do e-Delivery


Foto: VWCO/Divulgação