Por Redação

No ano passado, o mercado argentino absorveu 900.942 veículos, volume 26,9% superior ao registrado em 2016, período que somou 710.013 licenciamentos. Segundo as estatísticas da Acara, a associação dos concessionários locais, o desempenho das vendas representa o segundo melhor ano do mercado automotivo argentino, depois do recorde de 2013, quando foram licenciadas mais de 910 mil unidades.

Somente no mês passado, as vendas de veículos 0 km alcançaram 47.517 unidades, alta de 16,9% na comparação com dezembro de 2016, quando registrou 40.645 emplacamentos.

No ano passado, todas as marcas que atuam no mercado argentino experimentaram crescimento em suas vendas, embora boa parte delas abaixo do mercado.

A Volkswagen encerrou o período na liderança, com registro de 141.027 unidades vendidas, expansão de 31,8% sobre os licenciamentos de 2016, de 106.998 veículos.

A Chevrolet, em segundo lugar, vendeu 122.916 automóveis e comerciais leves, crescimento de 23,29% na comparação com o ano anterior (99.694).

Encerrou o período no terceiro degrau do pódio a Renault, com 115.031 unidades licenciadas, o que representou alta de 15,94% em relação aos 99.219 veículos da marca vendidos em 2016.

Cabe ressaltar os fortes crescimentos obtidos pela Honda e Nissan, em nono e décimo lugares, respectivamente. A primeira anotou uma expansão de 79,83% no ano passado sobre 2016, com 18.083 unidades vendidas e, a segunda, na mesma base de comparação, de 81,51%, com 16.376 veículos emplacados.

Anúncio

Exportação

Além das vendas internas aquecidas, também as exportações argentinas apresentaram resultado positivo. De janeiro a dezembro do ano passado, as fabricantes locais embarcaram 209.587 unidades para fora do país, alta de 10,3% sobre os 190.008 veículos exportados em 2016.

Do total exportado, 135.900 unidades seguiram para o Brasil, o que embora represente uma variação negativa de 1,3% na comparação com o resultado do acumulado de 2016, de 134.151, o volume equivale a 64,8% das remessas feitas pelo país vizinho.

Produção

Os fortes crescimentos das vendas na ponta final do consumo doméstico e externo, no entanto, não se refletiram no chão das fábricas argentinas, o que mostra o peso dos produtos brasileiros naquele mercado. Conforme dados da Adefa, a associação que representa as montadoras locais, em 2017, a produção de veículos no país vizinho foi de 472.158 unidades, estável em relação ao volume produzido em 2016, de 472.776, leve baixa de 0,1%.

Com apenas catorzes dias úteis de atividades em dezembro do ano passado, quatro a menos que no mesmo mês de 2016, além de férias coletivas em algumas montadoras, as fábricas produziram 33.280 unidades, volume 26,4% menor do que o registrado em dezembro do ano anterior, de 45.228 unidades.


Foto: felipeyerabarchi/Pixabay