Por Redação | autoindustria@autoindustria.com.br

Como resultado do início de retomada do mercado brasileiro de ônibus e de sua agressiva política na área externa, a Marcopolo atingiu receita líquida de R$ 2,876 bilhões no ano passado, o que representou crescimento de 11%  ante os R$ 2,574 bilhões faturados em 2016.

As exportações no período atingiram quase R$ 1 bilhão, o equivalente a 34,8% dos negócios totais da companhia. O lucro líquido em 2017 foi R$ 82,1 milhões. De acordo com nota divulgada na quinta-feira, 22, a produção da Marcopolo, que tem sede em Caxias do Sul, RS, cresceu 26,2%, com 8.633 ônibus fabricados em 2017, contra os 6.840 do ano anterior.

No segmento de ônibus rodoviários, a alta foi de 20,8% na produção e de expressivos 93,7% na receita líquida em relação a 2016. Os segmentos de micros e do Volare cresceram 104,6% e 43,5% em volumes, respectivamente. A participação da Marcopolo na produção brasileira de carrocerias passou de 41,3% em 2016 para 48,1% no ano passado.

O bom desempenho de 2017, segundo a Marcopolo, é consequência da acertada estratégia adotada pela empresa para enfrentar a crise dos últimos três anos, que envolveu a otimização das unidades fabris em busca de maior competividade.

“Os frutos dos esforços empreendidos na revitalização do Sistema Marcopolo de Produção Solidária, pela aplicação dos conceitos Lean, foram percebidos nos indicadores de segurança, qualidade e eficiência”, informa em nota.

A adoção da metodologia Lean, inclusive, foi essencial, de acordo com a Marcopolo, no evento do incêndio que atingiu a fábrica de Plásticos (unidade de Ana Rech). Em apenas cinco semanas a empresa conseguiu retomar os níveis anteriores de produção.

Anúncio

Adicionalmente, contribuíram para o resultado as ações de adequação da estrutura organizacional e redução dos custos fixos realizados ao longo do ano.

Mercado externo – Segundo a Marcopolo, o projeto de integração da área Comercial/ Mercado Externo com a de Negócios Internacionais, com a abertura de novos escritórios em Kuala Lumpur e Dubai, passou a dar seus primeiros resultados no ano passado com transações importantes sendo prospectadas no continente africano.

As exportações registram crescimento de 5,1% em volume, com total de 3.111 unidades negociadas. Entre as operações internacionais, a Polomex, localizada em Monterrey, México, foi o grande destaque positivo.

Seu desempenho foi marcado pelo crescimento de 5,9% nas unidades produzidas (1.272 contra 1.201 no comparativo anual) e de 213% no lucro líquido, resultado do trabalho de diversificação de clientes, da produção de ônibus com diferentes marcas de chassis e de um mix de produtos mais nobre, especialmente de modelos rodoviários.

Para 2018, a Marcopolo prevê a continuidade da trajetória de recuperação da indústria brasileira do ônibus. Inicia o ano com carteira de pedidos com volume de negócios em andamento superior ao verificado nos últimos anos e boas perspectivas para licitações, especialmente no âmbito do programa Caminho da Escola, e exportações.

Os destaques deverão ser a venda e produção de modelos rodoviários para o setor de fretamento e interestaduais, assim como a maior renovação de frota por parte dos operadores do segmento de urbanos.


Foto: Divulgação/Marcopolo