Por Redação | autoindustria@autoindustria.com.br

Com o aquecimento do mercado interno a indústria de implementos rodoviários ampliou em 53,3% a sua produção no primeiro trimestre deste ano. Foram fabricadas 17.581 unidades, ante as 11.470 produtos do mesmo período do ano passado, de acordo com balanço divulgado na segunda-feira, 9, pela Anfir, Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários.

“Isso mostra um resultado consolidado de recuperação no primeiro trimestre com tendência a continuar ao longo do ano”, comemorou Alcides Braga, presidente da entidade. E garantiu: “O setor tem capacidade instalada para abastecer o mercado, tem condições de acompanhar a curva de crescimento de emplacamentos”.

Leia mais

→Indústria de implementos acumula quatro anos seguidos de queda

BNDES melhora as condições para a compra de implementos

As vendas internas reagiram positivamente neste início de ano tanto no segmento de pesados como de leve. As de reboques e semirreboques apresentaram expansão de 76,7%, saltando de 4.905 para 8.670 produtos no comparativo interanual. O segmento de carroceria sobre chassis emplacou 8.911 unidades de janeiro a março, resultado 35,7% superior ao obtido no primeiro trimestre de 2017, quando foram comercializadas 6.565 unidades.

Anúncio

Diante da forte reação registrada na demanda doméstica no trimestre, a Fenabrave reviu na semana passada as perspectivas de vendas para este ano. Antes previa crescimento de 7% no número de emplacamentos de implementos rodoviário e agora estima alta de 41%, meta que se for concretizada representará a venda de 36,1 mil unidades. Dentre outros fatores positivos na área econômica, o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr. destacou o crescimento do PIB e a excelente safra prevista para o período.

Leia mais

Fenabrave revê projeção e aposta em alta de 15,1% no ano

De acordo com Mario Rinaldi, diretor executivo da Anfir, a curva positiva no mercado de implementos rodoviários é um termômetro importante para toda a atividade econômica. “A venda dos produtos do setor só se concretiza quando há outros negócios envolvidos”.


Foto: Divulgação/Librelato