Por Joel Leite

O caminhão semileve Mercedes-Benz Sprinter 415 e o Renault Master Furgão foram os campeões gerais da 4ª edição do Selo Maior Valor de Revenda – Veículos Comerciais, da Agência AutoInforme, em parceria com a Editora Frota e Textofinal. O Sprinter  desvalorizou apenas 13,9% depois de três anos de uso e o Master Furgão cravou  índice de 12,3%. São os dois veículos comerciais que dão o melhor retorno do ponto de vista financeiro para o usuário.

O Estudo de Depreciação é feito pela Autoinforme há dezoito anos, a partir dos levantamentos da Molicar, e pela quarta vez realizamos o evento de premiação aos veículos com o melhor desempenho no mercado.

O objetivo da certificação é estimular montadoras e importadoras a valorizar seus próprios produtos e preservar os investimentos de caminhoneiros autônomos e frotistas. É uma referência ao consumidor no sentido de melhor investir o seu capital.

Outros sete modelos foram contemplados com o Selo Maior Valor de Revenda– Veículos Comerciais. Na categoria Utilitários, além do Renault Master Furgão (furgão de carga e campeão geral – 12,3%) venceram o Hyundai HR 2.5 TC HD 4×2 (camioneta de carga – 12,9%), Fiat Fiorino Furgão (furgoneta de carga – 14,7%) e o Mercedes-Benz Sprinter Van (minibus – 17%).

No grupo Caminhões, o Ford Cargo 816 4×2 (caminhão leve – 20,9%), Mercedes-Benz 1419 4×2 Atego (caminhão médio – 23,6%), Mercedes-Benz 2430 6×2 Atego (caminhão semipesado –18,9%), Scania G-440 6×4 (caminhão pesado – 24,6%) e o próprio Mercedes-Benz Sprinter 415 (caminhão semileve e campeão geral – 13,9%).

Anúncio

Para formar o índice de depreciação, foram considerados os preços médios dos veículos zero quilômetro praticados no segundo trimestre de 2015 e seus modelos correspondentes com três anos de uso — abril a junho deste ano —, geralmente prazo inicial de substituição para fins de renovação de frota.

Foram considerados no estudo 96 modelos, dos quais 79 de caminhões e dezessete utilitários, e excluídos os veículos cujo volume de licenciamento em 2017 foi inferior a cinquenta unidades, em razão de sua pouca representatividade.

O selo é um reconhecimento às marcas que tiveram os seus veículos entre os de Maior Valor de Revenda em 2018. A depreciação depende de vários fatores:tamanho do veículo,  marca,  rede de revendedores,  cuidado que a marca tem em relação ao pós-vendas, ao segmento, a origem, ao fato de ter grande volume de venda, à sua aceitação no mercado.

Assim, nossa expectativa é que a certificação possa servir de balizador, para uso de fabricantes e distribuidores de veículos, administradores e proprietários de frotas, bancos, financeiras e seguradoras.

→Veja aqui a lista dos ganhadores de cada categoria

 

* Joel Leite é jornalista, palestrante e criador da Agência AutoInforme, agência especializada no setor automotivo