kicks

O Nissan Kicks vendeu 7,6 mil unidades no primeiro bimestre, média mensal de 3,8 mil mensais, apenas pouco abaixo da registrada no ano passado, quando somou 46,8 mil emplacamentos – 3,9 mil por mês – e foi o terceiro SUV compacto mais vendido.

Humberto Gomez, diretor de marketing da montadora, entende que o desempenho do utilitário esportivo, modelo que responde por cerca de 45% dos emplacamentos no mercado interno, pode até melhorar e ter como padrão mensal as mais de 4 mil unidades alcançadas em setembro de 2018 e também no mês passado.

E o executivo já leva em conta até mesmo a chegada de mais um concorrente direto, seja em porte, faixa de preço e oferta de tecnologia e recursos de conforto.  Objetivamente: o Volkswagen T-Cross. “O número de concorrentes cresce, mas o segmento também. O difícil é manter a participação”, pondera.

Para que o Kicks ao menos se mantenha dentre os top 3 do segmento, como deseja Gomez, a Nissan trata agora de criar mecanismo para chamar a atenção do consumidor para o modelo que completará três anos de mercado em agosto: uma série especial limitada.

A marca já oferece em sua rede de concessionárias o Kicks UCL, letras que significam Uefa Champions League, a maior, mais cara e a grande vitrine do futebol mundial depois da Copa do Mundo.

A Nissan é patrocinadora do torneio desde 2014 e, após longas tratativas, conseguiu somente agora o direito de utilizar o logotipo e o nome do torneio como chamarizes para seus produtos. E coube ao modelo fabricado em Resende (RJ) ser o primeiro deles em todo o mundo.

Anúncio

kicks

Serão apenas oitocentas unidades numeradas, duzentas delas exportadas para a Argentina. Gomez assegura que não há previsão de um segundo lote; “Teríamos que negociar novamente com a Uefa”, explica.

O Kicks UCL custa R$ 95.290,00 e tem os conhecidos motor 1.6 e transmissão CVT. Na verdade, além da logotipia referente ao campeonato europeu – visível nas laterais, coluna C e até na tela do sistema multimidia –, se diferencia das demais versões por kit de espoilers e pela única opção da carroceria vermelha com teto preto.

LEIA MAIS

→Nissan alcança 300 mil veículos produzidos em Resende

→Jeep mantém liderança no mercado de SUVs

As rodas são pretas e os bancos, revestidos em couro.  Há seis air bags deixou de fora alguns equipamentos presentes na versão mais cara do SUV, a SL, que custa R$ 100 mil: o sistema de câmeras 360 graus, por exemplo.

Enquanto estiver no mercado, a UCL será a segunda versão mais cara do modelo, logo acima da SV, que custa a partir de R$ 90 mil. É nessa faixa dos R$ 90 mil a R$ 100 mil que se concentram mais da metade das vendas do Kicks no Brasil, assegura Gomez. Não por outro motivo a série limitada foi escolhida para ficar no meio do caminho.


Foto: Divulgação/Nissan