Em debate no Encontro da Indústria de Autopeças, realizado nesta segunda-feira, 22, no São Paulo Expo, na capital paulista, o presidente da Toyota do Brasil, Rafael Chang, revelou que já há 12 ou 13 fornecedores locais dispostos a trabalhar com a plataforma TNGA, que será utilizada por aqui no Corolla híbrido flex, o primeiro veículo do gênero a ser produzido no mundo.

Durante o painel Visão de Futuro, Chang destacou a necessidade de a indústria brasileira de autopeças acompanhar o desenvolvimento tecnológico do setor, pois do contrário há o risco de a base não sobreviver. De qualquer forma, deixou claro o interesse da empresa em ter fornecedores locais para o seu híbrido flex.

“Ainda não posso falar em meta de índice de conteúdo local e nem tampouco sobre volume de produção. Mas  estamos negociando com nossos parceiros brasileiros”, comentou o executivo, garantindo que por enquanto não há qualquer movimento no sentido de trazer novos fornecedores para cá.

LEIA MAIS

Toyota terá compartilhamento de veículos no Brasil

Corolla híbrido flex chega ao mercado no fim do ano

Toyota estima crescer 9,5% em 2019

Na avaliação de Chang, o investimento em modelos híbridos é a base do desenvolvimento da indústria brasileira. “O elétrico ainda levará um bom tempo para ter escala. Por isso considero o híbrido o primeiro passo para trabalharmos junto com nossos fornecedores rumo ao veículo elétrico, sem ter de dar um salto muito grande de uma só vez”.

Anúncio

A plataforma TNGA, a mesma utilizada pelo Prius, é modular e já pensada para servir como base para modelos elétricos, híbridos ou a combustão. O Corolla híbrido flex será a 12ª geração do sedã da Toyota, que chega ao mercado brasileiro no final deste ano.

Chang explicou que o híbrido flex será comercializado apenas para o Brasil. “Em sua 12ª geração, teremos o flex e o híbrido flex para o mercado local, além do híbrido a gasolina e exclusivamente a gasolina para exportação”. O presidente da Toyota mostrou-se otimista quanto ao mercado da América Latina. “Vemos potencial para uma produção acima de 7 milhões de veículos na próxima década, ante os 4,6 milhões do ano passado”.

Esta é a primeira vez que o Sindipeças promove um amplo encontro para discutir os desafios do setor. O evento precedeu a realização da Automec, cuja solenidade oficial de abertura foi realizada no final da tarde desta segunda-feira e que receberá o público a partir da terça-feira, 23.

Do painel sobre Visão de Futuro também participaram Carlos Delich, presidente da ZF na América do Sul,
Mark Gottfredson, diretor da Bain & Company, nos Estados Unidos, e César Gomes, conselheiro do Sindipeças, que atuou como moderador. Também estava prevista a presença do presidente da General Motors América do Sul, Carlos Zarlenga, mas ele não pode comparecer.


Foto: Dovulgação/Toyota