No ano de imensos desafios, provocados por uma crise sanitária sem precedentes, a Iveco conseguiu fazer dos limões uma limonada mais doce, em especial no que diz respeito aos resultados no segmento caminhões.

A fabricante de veículos comerciais do grupo CNH Industrial encerrou o ano passado com mais de 5 unidades vendidas, um crescimento 30,2%, enquanto o mercado total do segmento encolheu 11,5%, para 89,6 mil licenciamentos.

Foi a única das montadoras de caminhões que atuam em todas as categorias a registrar resultado positivo, apesar dos volumes menores frente às rivais diretas, casos da Mercedes-Benz e Volkswagen Caminhões e Ônibus.

Baseado nos números consolidados pela Anfavea, o desempenho permitiu à empresa aumentar participação no mercado para 5,7% contra fatia de 3,8% obtida no encerramento de 2019.

A empresa, no entanto, calcula 8% ao incluir no resultado os comerciais leves de 3,5 toneladas da linha Daily, uma das ferramentas importantes da companhia no ano passado.

“Foi o nosso melhor ano dos últimos cinco anos”, resume Ricardo Barion, diretor comercial da Iveco. “Apesar da pandemia e da falta de previsibilidade que provocou, as mudanças de hábitos decorrentes afetaram o nosso negócio. O e-commerce, os segmentos supermercadistas, farmacêuticos e da construção civil vieram as compras de veículos.”

Para a demanda, a Iveco estava pronta para atender com produtos novos, um projeto de reformulação no portfólio que iniciado em 2017, ocasião na qual anunciou investimento de US$ 120 milhões. De lá para cá, a fabricante incorporou na sua oferta os pesados Hi-Road, novos integrantes da família Tector, como os de 9 e 11 toneladas, além da nova Daily.

As novidades se traduziram em resultados robustos por categoria. A empresa anotou no ano passado altas de 59% nas vendas de semipesados, com 1,8 mil unidades, 280% nas de médios (460), 111% nas de leves (791) e 74% nas de semileves (397).

Anúncio

“Estamos sabendo aproveitar uma oportunidade. E não dá para deixar de considerar encerramento da operação da Ford Caminhões”, admite Barion. “A marca tinha participações relevantes em segmentos de leves, médios e semipesados.”

Foi entre os pesados que a Iveco não conseguiu êxito, apesar da demanda aquecida do agronegócio, o principal comprador. Os 1,6 mil caminhões da categoria vendidos pela empresa ano passado representaram uma queda de 20,9% na comparação com 2019.

“Não deixamos de colocar foco, mas ocorreu muita movimentação no segmento de pesados nos últimos anos em toda a concorrência”, observa Barion. “Há ainda espaço para crescermos, seja no cliente que não precise de tanta tecnologia, mas de um veículo eficiente, ou mesmo trabalhar no viés de combustível alternativo, o gás, por exemplo”, adianta.

O diretor comercial ainda atribui ao bom resultado a expansão da rede de concessionária, outra oportunidade facilitada pelo adeus da Ford. A Iveco encerrou o ano passado com 77 pontos, dos quais 12 abertos em 2020. Para 2021, Barion adianta já ter mais 12 nomeações negociadas.

LEIA MAIS

Iveco amplia rede para 77 pontos de atendimento

Fábrica da Iveco completa 20 anos de atividades

Iveco avança com alternativa a gás na América do Sul


Foto: Iveco/Divulgação