A Scania confirmou nesta terça-feira, 21, um novo ciclo de investimento no Brasil. O aporte de R$ 1,4 bilhão será aplicado no período 2021 a 2024 e direcionado principalmente para modernização da fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista.

“Estamos há 62 anos no Brasil sempre acreditando na visão de longo prazo e no potencial do País”, destacou Christopher Podgorski, presidente e CEO da Scania Latin America. “Esse aporte reforça nossa jornada em direção ao transporte sustentável.”

LEIA MAIS

Scania anunciará novo investimento em SBC

O novato Scania R450 foi o caminhão mais vendido em abril

A montadora completa no próximo ano ciclo de investimento de R$ 2,6 bilhões iniciado em 2016, cujo principal objetivo foi o de adaptar as fábricas para a maior mudança de linha de montagem já realizada em toda sua história, viabilzando, com isso, a introdução de uma nova geração de caminhões para a América Latina.

“Nosso ritmo de investimento vinha sendo de R$ 100 milhões ao ano mas, agora, para atender as necessidades das novas tendências ligadas ao mundo do transporte, precisamos elevar esse patamar”, explicou Podgorski. “Nossa planta faz parte de um sistema de produção global. Acabamos de lançar um produto embarcado com uma plataforma ligada a futuras tecnologias, e esses recursos são base para o que está por vir”.

O foco atualmente são os combustíveis alternativos, especificamente veículos movidos a gás natural e biogás. “A produção de caminhões a gás em nossa planta, planejada para 2020, exemplifica o que reconhecemos como um investimento sustentável, ou seja, bom para os negócios e a sociedade, e ao mesmo tempo de menor impacto para o meio ambiente”, ressalta o presidente da montadora.

Para melhorar sua logística fabril e ampliar e concentrar as instalações destinadas às equipes de P&D, a Scania investirá R$ 75 milhões em alterações no plano diretor da unidade de produção. Hoje a fábrica de São Bernardo do Campo abriga um departamento de pesquisa e desenvolvimento  com 250 engenheiros atuando em paralelo com a matriz na Suécia.

“Essa sinergia é fundamental para a qualidade que levamos aos nossos clientes. Atualmente, por exemplo, somos os responsáveis globais pelos testes de validação de veículos em condições severas. Um claro reconhecimento da importância de estar presente na América Latina com esta área”, explica Podgorski.

Anúncio

O projeto de mudanças nas instalações será executado em etapas, sendo a primeira delas a melhoria dos fluxos de transporte internos.

“Estamos em um processo acelerado de automação nos processos de logística e isso exige que desafiemos as condições atuais, buscando melhorias que tragam resultados tangíveis. Melhor aproveitamento do tempo e espaço, apenas para citar alguns”, comenta Christopher, destacando que o parque industrial do ABC paulista é o único a montar um caminhão de para-choque a para-choque fora da Europa

Com relação ao transporte sustentável, a Scania e a Citrosuco divulgaram recentemente uma parceria para a realização dos primeiros testes com um caminhão que pode ser abastecido com gás natural veicular (GNV) ou biogás. O modelo é um pesado de 410 cavalos de potência e os testes devem ser encerrados até o final do ano.

A tecnologia do motor Scania, inédita na América Latina, também permite rodar com a mistura de ambos os combustíveis.

LEIA MAIS

GM confirma R$ 10 bilhões nas duas fábricas paulistas

Governo de SP anuncia incentivos ao setor automotivo

OInovarAuto caminhão movido a GNV/Biogás é mais uma exclusividade apresentada pela Scania no Brasil. Trata-se de uma alternativa ao diesel viável, que pode ser implementada em curto prazo e possibilita uma significante redução de custos com combustível”, afirma Roberto Barral, vice-presidente das operações comerciais da Scania no Brasil.

Com o investimento anunciado pela Scania, em evento que teve a participação do governador João Doria, a fabricante poderá se enquadrar no Programa IncentivAuto, que tem como objetivo modernizar a indústria automobilística no Estado, ampliar a produção de veículos, gerar novos empregos e aumentar a receita a partir da oferta de descontos progressivos, de até 25%, do ICMS devido nos produtos fabricados em São Paulo.

Além de investimento mínimo de R$ 1 bilhão, o programa do governo paulista existe a criação de no mínimo 400 novos empregos vinculadamente a esses investimentos.


Foto: Governo do Estado de São Paulo