A indústria de autopeças segue com déficit comercial em queda este ano. Balanço dos primeiros cinco meses mostra um saldo negativo de US$ 1,67 bilhão, montante 40% inferior ao registrado no mesmo período de 2018, conforme dados publicados no site do Sindipeças.

Até abril, tanto as vendas externas como as compras no exterior vinham em queda. No acumulado de janeiro a maio, no entanto, as exportações passaram a ter desempenho positivo, com pequeno crescimento de 2% e receita total próxima de US$ 3,2 bilhões este ano, ante os US$ 3,1 bilhões dos primeiros cinco meses do ano passado.

Já as importações despencaram 17,9%. A indústria brasileira comprou no exterior US$ 4,8 bilhões este ano, valor que ficou perto de US$ 5,89 bilhões no mesmo período de 2018.

Em maio deste ano foram exportados US$ 658,1 milhões, 23% a mais do que os US$ 532,3 milhões de idêntico mês do ano passado. Segundo o Sindipeças, essa diferença positiva deve-se ao baixo desempenho de maio de 2018, quando houve a greve de caminhoneiros no País. Nesse mesmo comparativo, no entanto, as importações, que atingiram US$ 1 bilhão no mês, mostram decréscimo de 11%.

Anúncio

As exportações para a Argentina no acumulado do ano caíram quase 30%, baixando de US$ 950 bilhões nos primeiros cinco meses de 2018 para US$ 666,9 milhões agora em 2019. Já as vendas de autopeças para os Estados Unidos cresceram 19,6%, atingindo US$ 664 milhões este ano.

Também cresceram as exportações para o México, alta de 22,3%, com US$ 392,3 milhões embarcados até maio, e para a Holanda, com acréscimo de 189%, para US$ 341,2 milhões. Já os negócios com a Alemanha caíram 2,6%, para US$ 220 milhões.

Já no que diz  respeito às importações, houve queda generalizada nas compras feitas em outros países. O decréscimo foi de 2,8% no caso da China, para US$ 210 milhões, e de 12,4% nas aquisições de peças provenientes da Alemanha, para US$ 606 milhões.

A venda de autopeças dos Estados Unidos para cá baixou para US$ 471,5 milhões, com queda de 29% em relação ao ano passado, decréscimo que foi de 9,1% no caso do Japão, para US$ 470,9 milhões.


Foto: Divulgação/Automec 2019