Balanço do desempenho do setor automotivo argentino divulgado pela Adefa na segunda-feira, 5 de agosto, mostra que o plano temporário de bonificação para a compra de veículos novos iniciado em junho surtiu algum efeito prático no mercado, ainda que tímido.

No mês passado, as fabricantes locais entregaram nas concessionárias 39,2 mil unidades, alta de 7,5% em relação a junho, mais ainda volume 15,8% menor se comparado ao mesmo mês do ano passado, quando os revendedores receberam 46,6 mil veículos.

Válido somente para veículos produzidos no país, o bônus contribuiu justamente nas vendas dos produtos nacionais. Do total que chegou na rede em julho, 9,9 mil unidades saíram das fábricas locais, alta de 19,6% sobre as 8,3 mil anotadas em julho.

O acumulado do ano, no entanto, espelha de maneira mais clara a atual condição do mercado do país vizinho. De janeiro a julho, a queda nos veículos faturados para a rede chegou a 51,7% com 226,2 mil unidades entregues contra 468,2 mil anotadas um ano antes.

LEIA MAIS

→Mercado interno cai à metade e Argentina exporta 60% de seus veículos

→Argentina renova acordo automotivo com o México

Anúncio

As exportações também registraram um impulso positivo no mês passado com embarques de 19,9 mil veículos, aumento de 14,4% sobre o junho, com 17,4 mil remessas, mas ainda contabilizando queda de 21,5% no confronto com julho do ano passado, quando exportou 25,3 mil unidades.

Nos sete primeiros meses, as exportações ficaram 13,2% menores com 127,6 mil unidades embarcadas contra 146,9 mil registradas no acumulado do mesmo período de 2018.

Para Luis Fernando Peláez Gamboa, presidente da Adefa, o setor automotivo argentino “começa a registrar uma melhora mensal nas exportações e vendas no atacado, mas ainda não se mostra na produção devido ao efeito do período difícil no mercado e às diversas interrupções de produção programadas nas fábricas, com férias ou manutenção nas empresas.”

No mês passado a produção das fábricas argentinas registrou 21,6 mil unidades, quedas de 9,5% na comparação com junho, com 23,9 mil, e de 47,8% ante julho do ano passado, quando saíram das linhas de montagem 41,4 mil veículos.

No acumulado de janeiro a julho, a produção somou 182,8 mil unidades, volume 35,6% inferior aos 284,1 veículos fabricados no mesmo período de 2018.