A justiça alemã não tem dado trégua aos fabricantes de veículos envolvidos na fraude dos níveis de emissão dos carros com motores a diesel.

Esta semana, depois de acusar e indiciar o CEO da Volkswagen, Herbert Diess, o ex-CEO Martin Winterkorn e o presidente do conselho da empresa Hans Dieter Poetsch, por não informarem os investidores a tempo sobre o impacto financeiro do escândalo, foi a vez da Daimler receber uma má notícia.

A empresa, dona da Mercedes-Benz, foi multada em nada menos do que € 870 milhões — perto de US$ 960 milhões — por  ter, segundo as autoridades de Stuttgart, onde está a sede da montadora, vendido 684 mil veículos que não cumpriam integralmente as normas de emissões de óxido de nitrogênio.

A milhonária multa, suficiente para a construção de uma fábrica de ponta em qualquer mercado mundial, dá sequência a uma séria depenalidades designadas nos últimos anos para empresas do setor automotivo alemão.

Anúncio

No ano passado, a Volkswagen teve de pagar  € 1 bilhão e a Audi, € 800 milhões. A Porsche, outra marca do Grupo Volkswagen, foi punida em € 535 milhões em março último.

Dois meses depois, o Ministério Público de Stuttgart autuou a asistemista Bosch em € 90 milhões por ter fornecido, a partir de 2008, perto de 17 milhões de dispositivos que permitiram a fraude nos testes de emissões dos motores a diesel em diversos mercados.

LEIA MAIS

→ Chinesa BAIC compra 5% da Daimler

→ Comissão Europeia acusa BMW, Mercedes-Benz e VW de conluio

 


Foto: Divugação/Daimler