Ainda com algumas semanas pela frente para a elaboração do contrato que selerá o início da fusão do Grupo PSA com a FCA, Carlos Tavares, CEO do grupo francês e indicado para o mesmo cargo na futura  quarta maior fabricante global de veículos, afirmou, nesta sexta-feira (8), que não há intenção de encerrar qualquer uma das atuais 13 marcas de automóveis e picapes das duas montadoras.

“Faz parte do desafio gerenciar adequadamente essas marcas para cobrir o mercado”, disse Tavares a uma emissora de televisão francesa. “Todas marcas, sem exceção, têm uma coisa em comum: uma história fabulosa. Adoramos a história das marcas de carros, isso nos dá uma base sobre a qual podemos nos projetar no futuro. Então, hoje, não vejo necessidade, se este acordo for concluído, de remover marcas porque todas elas têm sua  força”.

LEIA MAIS

→ Carlos Tavares confirmado como CEO da FCA-PSA por cinco anos

Anúncio

→ PSA investe R$ 220 milhões para nova plataforma em Porto Real

O executivo reafirmou que o futuro conglomerado poderá economizar bilhões de euros anualmente sem fechar fábricas. Porém, indagado,  ele não descartou cortes de empregos: “Essa é a indústria automobilística, não se trata de PSA. As margens estão continuamente sob pressão e é preciso procurar permanentemente ganhos de produtividade”.

FCA e PSA têm conjuntamente em torno de 400 mil funcionários em todo o mundo. A montadora ítalo-americana  arrecada 66% de sua receita global na América do Norte, em comparação com apenas 5,7% da PSA, cujo grande mercado é a Europa .


Foto: Divulgação/PSA