A Eaton, única empresa de seu segmento a ter a própria forjaria, avança processo de automatizar a área, instalada na unidade de Valinhos (SP). O projeto, iniciado há três anos, já introduziu três automações parciais e duas outras completas recentemente integradas.

Atualmente são nove robôs em operação e quatro linhas completamente automatizadas. Até o fim 2020, a empresa espera ter todas as células estejam integralmente automatizadas com a atuação de 19 robôs.

Estratégica, a forjaria, além de atender da fábrica de Valinhos também supre as necessidades as unidades de Mogi Mirim (SP) e Caxias do Sul (RS). Segundo Edinaldo Fancio, co-líder do conselho de automação da Eaton no mundo, ter a própria forjaria permite garantir competividade, rapidez no desenvolvimento de produtos, “além de um custo na média de 35% mais baixo quando comparado a forjados comprados”.

LEIA MAIS

→Eaton investe em novas engrenagens

Anúncio

→Eaton nacionaliza diferencial

De acordo com a empresa, o processo de automatização da área exigiu desenvolvimento interno de robôs que simulem o movimento de um cotovelo humano. A companhia também utilizou a tecnologia de realidade aumentada para validar as mudanças de leiaute das novas células, com ganhos tempo e redução de riscos e custos.

“Ao longo do período, desenvolvemos conhecimento em automação dentro desse ambiente e ganhamos know-how interno em parceria com algumas empresas integradoras para compartilhar e ser modelo, não só para outras unidades da Eaton no mundo, mas também para outras empresas que atuam no mesmo segmento”, conta Fancio.

Ao comemorar 60 anos em novembro, a unidade da Valinhos, tem área de 105,8 mil m², dos quais 5,3 mil m² ocupados pela forjaria. Segundo a empresas, dimensões que a colocam como uma das três maiores do País.


Foto: Eaton/Divulgação