Como forma de auxiliar o transportador em suas programações de troca de veículos, a Mercedes-Benz lançou plano inédito de consórcio para a linha de leves e médios Accelo. O participante da cota poderá retirar o modelo entre o sexto e o 23º mês por meio de antecipação de parcelas. A partir do 24º mês ainda há possibilidade de ter o veículo a qualquer momento, sem necessidade de pagamento adicional.

De acordo com Roberto Leoncini, vice-presidente de venda e marketing da companhia, o novo plano oferece maior previsibilidade ao negócio de transporte. “Os clientes podem programar a renovação ou ampliação de frota de acordo com suas necessidades e capacidade de investimento.”

No fim de janeiro, a empresa lançou grupo de 120 cotas com créditos de R$ 140 mi a R$ 250 mil que foram esgotadas em apenas três dias de venda. Um segundo grupo foi aberto e durante o primeiro semestre esperar lançar até seis grupos. “As vantagens são nítidas tanto para os clientes que querem um caminhão para breve, quanto para aqueles que podem esperar um pouco mais, conforme os contratos de transporte que venham a fechar”, reforça Leocini.

Consórcio Mercedes-Benz cresce 11% em 2019

No ano passado, a fabricante negociou R$ 550 milhões em cotas de consórcio, um crescimento de 11% sobre o anotado em 2018, período que somou R$ 490 milhões. Foram vendidas 2.105 cotas ante 2.061, na mesma base de comparação. Para 2020, a empresa tem a expectativa de obter 20% de crescimento em cotas e valores pela modalidade.

Anúncio

“Em 2019, a maior participação nas vendas de cotas veio de caminhões extrapesados. Nosso objetivo agora é avançar em todos os segmentos”, revela Leoncini. “O lançamento do plano para o Accelo é passo nesse sentido.”

LEIA MAIS

Deppen assume Mercedes-Benz e Schiemer retorna para a Europa

Mercedes-Benz projeta alta de 17% no mercado de pesados em 2020

Mercedes-Benz Accelo ganha nova relação de eixo traseiro

Venda de consórcio de veículos cresce 7,6% e sobe o tíquete médio

Mercedes-Benz cria consórcio conjugado


Foto: Mercedes-Benz/Divulgação