O Brasil segue em alto conceito dentro do Grupo Renault. Depois de estabelecer em 2019 sua maior participação ao longo de três décadas aqui, a montadora destaca em seu balanço mundial, divulgado nesta sexta-feira ( 14), o país como um dos mercados que crescerão novamente em 2020.

Em 2019, a empresa vendeu 239,2 mil automóveis e comerciais leves no mercado interno, 6,3% dos cerca de 3,8 milhões de unidades negociadas em todo o mundo, que representaram queda de 3,4% sobre o volume consolidado um ano antes.

O país manteve-se como o quarto maior mercado global da marca, mas por pouco menos de 8 mil unidades não roubou a terceira posição da Alemanha. Respondeu por 57% de todos os veículos negociadas pelo grupo nas três Américas.

Segundo a Renault, as vendas totais brasileiras de veículos aumentarão em torno de 5% em 2020, enquanto a expectativa para o mercado europeu é de recuo de pelo menos 3%.

Diante desse cenário, a montadora espera repetir a receita de € 55,5 bilhões alcançada em 2019 – 3,3% a menos do que no ano anterior — e atingir margem operacional entre 3% e 4%, contra os 4,8% registrados no ano passado, que equivaleram a € 2,6 bilhões.

Mas, destaca a Renault, esses números e índices não levam em consideração, ainda, os possíveis impactos relacionados à crise do coronavírus. Na China, a montadora produz automóveis com a Dongfeng em Wuhan, epicentro do surto do virus, e comerciais leves com a Brilliance.

Anúncio

Maiores mercados do Grupo Renault - 2019

PaísUnidades 
França698.700
Rússia508.600
Alemanha247.100
Brasil239.200
Itália220.400
Espanha183.200
China179.500
Reino Unido109.900
Bélgica 90.900
Índia 88.900
Fonte: Renault

PREJUÍZO  GLOBAL e CORTES

O  Grupo Renault relatou perdas de € 141 milhões no ano passado, seu primeiro prejuízo líquido em uma década — em 2018 lucrara € 3,3 bilhões. O lucro operacional caiu 30%, para € 2,1 bilhões.

“Foi um ano difícil para o Grupo Renault e a Aliança”, reforçou Clotilde Delbos, CEO interina da montadora, que entregará o cargo para o recém-contratado Luca De Meo em meados deste ano.

“A visibilidade para 2020 permanece limitada devido à volatilidade esperada da demanda, principalmente na Europa, devido ao regulamento do CAFE, e aos possíveis impactos do corona virus”, acrescentou Lebos, referindo-se  à legislação que determina limites de emissões mais rígidos para os veículos no continente europeu.

Por conta desse ambiente global menos favorável, revelou a CEO, a montadora trabalhará para reduzir custos estruturais em € 2 bilhões de euros nos próximos três anos e não excluiu a possibilidade de cortes de empregos em suas fábricas.


 

Foto: Divulgação/Renault