Em balanço parcial que compreende o período de 1º de janeiro a 17 de fevereiro, a Volkswagen acumula venda de 47,2 mil automóveis e comerciais leves neste início de ano, com crescimento de 15,2% sobre idêntico intervalo do ano passado e participação de 16% nas vendas totais do segmento.

A informação foi divulgada nesta terça, 18, pelo presidente e CEO da Volkswagen América Latina, Pablo Di Si, ao revelar que a evolução da marca é bem mais expressiva do que a do mercado como um todo, que no mesmo comparativo cresceu apenas 3,9%.

Sem querer falar em disputa pela liderança, Di Si comemorou os bons resultados deste início de ano voltando a comentar que a meta da empresa é crescer acima da média do mercado, com ganhos de participação. A marca fechou 2019 com fatia de 15,6% no mercado de leves.

A empresa também quer ampliar exportações este ano e mantém firme seu cronograma de lançamentos na região. Di Si participou ontem da apresentação do Virtus GTS e comentou que daqui há 60 dias a empresa estará mostrando o Nivus, o novo SUV compacto da marca. “O objetivo é crescer de forma sustentável”.

Anúncio

Questionado sobre o futuro do VW up! e da fábrica de Taubaté, SP, o presidente da Volkswagen prometeu um anúncio para daqui a 48 horas. Nada mais quis adiantar, mas deixou claro que haverá novidade em relação à fábrica do interior paulista.

O objetivo da montadora é atingir equilíbrio financeiro este ano. Segundo Di Si, a empresa só não fechou com lucro em 2019 por causa da forte desvalorização do real.  Ele voltou a confirmar a produção do projeto Tarek na Argentina, mas adiantou que o SUV a ser produzido no País vizinho não terá este nome:

“Tarek é o nome do projeto, não do produto. Estamos avaliando qual será o nome do SUV, mas já está definido que não será o mesmo do projeto”. Com relação a versão picape, a Tarok, Di Si informou que o projeto continua em avaliação mas sem definições quanto à sua produção ou não lá na Argentina.


Foto: Divulgação/VW