A Renault confirmou nesta quarta-feira, 29, que retomará a produção em suas quatro fábricas no Complexo Ayrton Sena, em São José dos Pinhais, PR, no próximo dia 4, quando acabam as férias coletivas de seus colaboradores da área produtiva. O administrativo, segundo a montadora, seguirá em home office por tempo indeterminado.

A fabricante do Paraná não conseguiu fechar acordo de suspensão do contrato de trabalho com seus trabalhadores e, por isso, prorrogou as férias coletivas, que acabariam em 14 de abril, até 3 de maio, optando agora pela retomada das atividades fabris.

A maioria das montadoras tem utilizado a medida provisória 936, editada pelo governo no início do mês para evitar demissões neste período de pandemia, para fechar acordos que, em alguns casos, envolve redução de jornada e também de salários.

No caso da Renault, o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba optou, a partir de uma plenária, por não colocar a proposta da montadora em votação virtual junto aos trabalhadores. Na época a empresa informou que propôs condições melhores do que as estabelecidas na MP 936, uma vez que os funcionários ligados à produção não teriam redução de salário.

Anúncio

LEIA MAIS

Na Renault, metalúrgicos rejeitam proposta de lay-off

Com apenas um turno, Volkswagen prevê retornar dia 18 de maio

Mercedes-Benz acerta acordo e retoma produção no início de maio

Outras montadoras também estão se preparando para voltar em maio, caso da Mercedes-Benz, que reinicia produção logo no início do mês, e da Volkswagen, que se programa para abrir as fábricas a partir de 18 de maio, mas com trabalho parcial em uma primeira etapa.

A Renault não divulgou detalhes sobre o retorno, se será gradual ou se todos os funcionários das fábricas retomam suas funções normalmente. A empresa deve divulgar informações mais precisas ainda esta semana, visto que na próxima já estará em operação.


Foto: Divulgação/Renault