Levantamento consolidado pela Anip, associação que reúne os fabricantes de pneus, divulgado na quinta-feira, 11, registra uma queda de 50,5% nas vendas de pneus em maio, com 2,5 milhões de unidades vendidas ante 5,1 milhões entregues no mesmo período do ano passado.

Segundo análise da associação, o resultado se deve especialmente às vendas para as montadoras, atualmente em ritmo de produção bem menor devido às medidas de segurança adotadas para conter o avanço da covid-19. Em maio, a indústria de pneus entregou às fabricantes de veículos 286,7 mil unidades, volume 81,1% inferior ao anotado há um ano, de 1,5 milhões.

“Mesmo com o retorno de algumas montadoras e a abertura progressiva do comércio, teremos um avanço restrito dos mercados até o fim do ano, o que sinaliza uma retração histórica do setor”, avalia em nota Klaus Curt Müller, presidente executivo da Anip.

Reposição também em queda

Ainda que a retração seja menor em relação às operações OEM, também os negócios com o mercado de reposição experimentaram em maio um encolhimento significativo, de 37,6%, ao anotar 2,4 milhões de pneus vendidos, contra quase 3,6 milhões apurados no mesmo mês de 2019.

Anúncio

Nos cinco primeiros meses, o recuo já alcança 29,3%, de 24,1 milhões unidades negociadas de janeiro a maio do ano passado para perto de 17,1 milhões no acumulado de 2020.

Na balança comercial do setor, a indústria pneus acumula no ano um superávit de US$ 66,2 milhões. De janeiro a maio, as vendas externas somaram US$ 355,7 milhões, quantia 25,1% inferior, enquanto as importações chegaram a US$ 289,4 milhões, valor 23% menor em relação a um ano.

Em volumes, as fabricantes de pneus exportaram 4,3 milhões de unidades até maio, recuo de 31,8%, e importaram 8,6 milhões de pneus, queda de 5,2%.

LEIA MAIS

→Dunlop dobra capacidade da linha de pneus pesados

→Mercado brasileiro de pneus fecha estável em 2019