Por ocasião do Annual Supplier Conference & Awards promovido pela FCA, Fiat Chrysler Automobiles, no final de setembro, o presidente da empresa na América Latina, Antonio Filosa, divulgou pesquisa desenvolvida em conjunto com o Google sobre o novo perfil dos consumidores de automóveis.

Ele destacou dois dados interessantes. Primeiro que dos interessados em comprar um carro, 48%  já tinham planos nesse sentido antes da pandemia, enquanto outros 52% passaram a ter essa vontade justamente por causa dela. O outro foi referente aos motivos que levaram ao desejo de ter um veículo próprio.

Segundo Filosa, a pandemia despertou três movimentos, dentre eles o chamado consumo celebração, ou seja, concretizar um sonho antigo sempre adiado, que vem beneficando o segmento dos carros mais luxuosos, mais caros.

Na outra ponta, o que poderia ser definido como consumo do medo, aquele que visa fugir do transporte público e que, no geral, favorece o segmento dos carros menores e mais acessíveis. Por fim, acredita-se que o advento do home-office levará as pessoas a morarem fora dos centros urbanos, o que também envolverá a compra de veículos para movimentações cotidianas.

O importante, na avaliação do presidente da FCA, é posicionar-se em todos esses segmentos que podem ter maior procura a partir de agora. “E temos condições de fazer isso”, destacou. Além de lançar um SUV da Jeep para sete ocupantes no ano que vem, a FCA também terá novos motores turbo 1.0 e 1.3, passando a ocupar espaço numa faixa de produto crescente no Brasil.

Anúncio

São justamente os motores turbo de menor cilindrada que têm movimentado o disputado mercado de modelos 1.0, já chamados de populares no passado. Desde o ano passado eles têm ganhado maior espaço junto ao consumidor brasileiro, mas esse movimento intensificou-se no segundo semestre deste ano, após as montadoras retomarem produção paralisada por causa da pandemia.

Em setembro, por exemplo, os modelos 1.0 atingiram fatia de 48,7%, o que significa que responderam por praticamente a metade das vendas totais de automóveis no Brasil, conforme dados divulgados pela Anfavea. Em relação ao mesmo mês do ano passado, quando o índice ficou em 40,1%, há um ganho de 8,6 pontos porcentuais.

LEIA MAIS

Mobi ganha versão “aventureira” Trekking na linha 2021

“O pior já passou”, destaca presidente da FCA

No acumulado dos primeiros nove meses de 2020 a participação ficou em 46,8%, ou seja, 7,9 pontos porcentuais e mais do que a registrada na média do ano passado (38,9%). Seja pela pandemia que está gerando o chamado consumo do medo ou seja pelo expressivo avanço tecnológico desses motores, certo é que eles voltaram a ser destaque no cenário automotivo brasileiro.


Foto: Divulgação/Fiat